Porto Alegre, terça-feira, 09 de fevereiro de 2016. Atualizado às 17h36.
Dia do Zelador.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
29°C
30°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9090 3,9110 0,38%
Turismo/SP 3,7500 4,0400 1,25%
Paralelo/SP 3,7500 4,0400 1,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

saúde 09/02/2016 - 18h22min. Alterada em 09/02 às 18h36min

Ministro da Saúde defende lei contra o aborto, que exclui microcefalia

LUIS MACEDO/CÂMARA DOS DEPUTADOS/JC
Castro afirmou que o ministério seguirá o que determina a legislação brasileira

Folhapress

Após a ONU (Organização das Nações Unidas) defender a descriminalização do aborto em meio à epidemia de zika, o ministro da Saúde, Marcelo Castro, afirmou nesta terça-feira (9), em Teresina, que o ministério seguirá o que determina a legislação brasileira. Castro lembrou que a interrupção da gravidez não é permitida por lei em casos de microcefalia - má-formação do cérebro do bebê relacionada ao vírus da zika.
"A posição do Ministério da Saúde é inequívoca, é a posição em defesa da lei. Somos agentes públicos e não podemos ter outra defesa que não seja a defesa estrita da lei. A legislação brasileira só permite aborto em três situações, que não inclui essa daí [microcefalia]", afirmou o ministro em entrevista ao vivo à TV Cidade Verde, afiliada do SBT no Piauí.
A legislação brasileira permite o aborto em três casos: gravidez resultante de estupro, quando há risco de morte para a mãe e de fetos com anencefalia. Na semana passada, após a declaração da ONU, a Confederação Brasileira dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou uma nota na qual critica a proposta de descriminalizar o aborto para casos de microcefalia, considerada pela entidade um "total desrespeito à vida".
Na entrevista, Marcelo Castro negou que deixará o ministério para reforçar a bancada contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, que deve entrar em pauta com a volta do Congresso ao trabalho.
"Esse assunto não foi discutido em profundidade. É assunto fora de pauta", disse. "Na Câmara, como todos sabem, tem um PMDB que apoia Dilma, e eu me incluo nessa ala, e tem um grupo contrário à presidente, alguns radicais a favor do impeachment... O assunto perdeu força completamente, saiu do noticiário, praticamente não se fala mais nisso, eu acho que está mais próximo de 'já morreu' do que está vivo", disse.
O ministro afirmou ainda que atua em parceria com o governo dos Estados Unidos para produzir uma vacina contra o zika, que deverá estar pronta em três anos. Castro pediu a mobilização da população para combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença, da dengue e da chikungunya.
"Peço que a população dedique 15 minutos por semana, não é muito, a fazer uma vistoria em casa para eliminar o mosquito Aedes aegypti", disse Castro. Ele citou a cidade de Água Branca, no interior do Piauí, como exemplo de combate ao mosquito. A população do município adotou um "selo verde" para casas sem foco do mosquito e um "selo vermelho" para residências nas quais foram encontradas larvas do Aedes.
O ministro afirmou ainda que a "epidemia de microcefalia" é o principal problema do Brasil. "Nós do Ministério da Saúde entendemos que o problema número um hoje, se numerássemos 100 problemas no Brasil, no nosso entendimento é a epidemia de microcefalia que estamos vivendo. E não faltarão recursos."
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Obama pede ao Congresso fundo de emergência para combate da zika Zika chega ao Estado e põe governo em alerta Governo paulista anuncia laboratório que produzirá pílula de fosfoetanolamina Contra zika, ONU pede liberação do aborto na América Latina
Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos pediu nesta sexta-feira a liberalização do aborto

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo