Porto Alegre, domingo, 21 de fevereiro de 2016. Atualizado às 22h45.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
34°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0210 4,0230 0,61%
Turismo/SP 3,7500 4,1800 0%
Paralelo/SP 3,7500 4,1800 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Indústria Notícia da edição impressa de 22/02/2016. Alterada em 21/02 às 21h56min

Foton assina acordo com Agrale até março

MARCO QUINTANA/JC
Fabricante de caminhões chinesa se prepara para fechar a escritura da compra de área de 100 hectares

Patrícia Comunello

O acordo entre Foton Aumark do Brasil e Agrale para começar a montar caminhões da marca chinesa deve ser oficializado no começo de março. A negociação está nos detalhes finais sobre o contrato, informou o diretor de relações institucionais da Foton Aumark, Luiz Carlos Paraguassu. Enquanto firma a negociação, que foi antecipada em 2015 pelo Jornal do Comércio, a empresa que vai explorar o nicho de caminhões de até 10 toneladas se prepara para assinar a escritura da compra da área de 100 hectares em Guaíba, uma fração do terreno que no fim dos anos de 1990 chegou a ser destinado a uma fábrica de automóveis da Ford.
A montadora norte-americana acabou rompendo o acordo com o Rio Grande do Sul e transferiu o investimento para a Bahia. A garantia de que a opção de dar início à montagem em Caxias do Sul, onde fica a Agrale, não ameaça o projeto no município da Região Metropolitana é de Paraguassu. Desde que o plano de instalar a base provisória foi ventilado, a população de Guaíba elevou o grau de temor sobre perder o empreendimento. Segundo uma fonte próxima ao empreendimento, a assinatura do contrato com a Agrale seria feito durante a Festa da Uva, que vai até 6 de março. Mas a repercussão para Guaíba acabou alterando as agendas.
A escritura da área definitiva deve ser firmada em duas semanas, o que assegura a liberação da primeira parcela do financiamento total de R$ 60 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes). Este quesito também estava segurando o começo da construção em Guaíba. O investimento da Aumark, que tem acordo com a chinesa Foton para uso de componentes e tecnologia da marca, já foi estimado em R$ 250 milhões na primeira fase com capacidade instalada de montar 21 mil unidades, que seria progressivamente ativada. A geração de emprego é esperada em 250 vagas diretas. "Não vamos transferir a unidade para lá. Temos pressa para produzir o caminhão nacional", justifica o diretor.
O cronograma da Foton Aumark está um ano atrasado. A previsão era de começar as obras para montar os galpões no começo de 2015. A demora na venda do terreno pelo Estado, condição para contratar o empréstimo de mais de R$ 100 milhões com o Bndes, foi a principal razão do adiamento da instalação. Como o empreendimento está inscrito no programa automotivo Inovar-Auto, do governo federal, que previa redução do imposto de importação a unidades trazidas da China até o fim do ano passado, a empresa precisava engatar a marcha da fabricação nacional. "Somos obrigados a antecipar a produção nacional, mas será por prazo determinado, enquanto construímos em Guaíba", garantiu Paraguassu.
Um ano deve ser o tempo do contrato com a Agrale para ocupar as instalações. A indústria de Caxias do Sul confirma que está em negociação com a Foton Aumark. A aposta é que a produção comece em abril. Os detalhes já estariam acertados, só falta assinar. Mesmo com mercado em queda de venda de caminhões, os novos fabricantes querem garantir produto para abastecer revendas. A marca Foton tem ainda unidades importadas, parte está estacionada no terreno em Guaíba. "Com o dólar a R$ 4,00, só vamos importar se precisar mesmo", explica o diretor da Aumark.
O secretário de Desenvolvimento Econômico de Guaíba, Cleber Quadros, disse que conversou, na semana passada, com o presidente do conselho de administração da Foton Aumark, o ex-ministro das Comunicações, Luiz Carlos Mendonça de Barros. Quadros admitiu que a preocupação é crescente sobre a manutenção do projeto na cidade e que buscou a garantia do principal acionista. "Ele me disse que o contrato será de um ano para se adequar ao Inovar-Auto", reproduziu o secretário, que avaliou como tranquilizadora a resposta. "O acordo com a Agrale já havia criado um alvoroço na cidade, diante do que significaria a perda", contou Quadros. "O Mendonça foi incisivo, explicando que seria mais caro sair daqui."
Na sede da Agrale, não há ainda definição de volume de mão de obra a ser empregado nos caminhões. Parte do quadro da indústria caxiense será deslocado para a montagem, o que reduzirá a ociosidade da planta. Na região de Caxias do Sul, há queda de 18,8% no emprego formal no setor automotivo em 2015. Foram fechados 5 mil postos. O tombo só não é maior que em Gravataí, outro polo automotivo, que teve recuo de 19,8% no emprego e onde fica a fábrica da General Motors. A montadora norte-americana analisa, segundo o comando mundial, rever investimentos previstos em R$ 6,5 bilhões no Brasil, devido à recessão. Parte do aporte é previsto para Gravataí e seria deflagrado em três anos.
pageitem_21_02_16_20_13_25_pg_12.jpg

General Motors estuda cancelar investimento no Brasil se economia continuar paralisada


A General Motors pode rever seu plano de investimento no Brasil de R$ 6,5 bilhões, anunciado em julho passado, e com previsão de cobrir gastos até 2019. A unidade em Gravataí, considerada uma das mais eficientes do mundo da marca, foi incluída no plano. O presidente mundial da empresa, Dan Ammann, teme que o País continue com a economia paralisada, o que impedirá a reação do mercado automobilístico nos próximos anos. "Tenho esperança de ver sinais de avanços políticos e econômicos nos próximos seis a 12 meses, o que vai nos permitir seguir o curso do investimento planejado." Do contrário, afirma ele, "vamos reavaliar".
Número dois no comando da GM global, Ammann esteve no País, na terça-feira e quarta-feira da semana passada, para ver o andamento de novos projetos e se mostrou bastante preocupado com a situação local. "Estamos aqui há 91 anos e estamos acostumados com ciclos de altas e baixas no Brasil e na América do Sul, mas o que mais nos preocupa agora é que pode não haver solução nos próximos três anos", disse o presidente mundial. Boa parte para o desenvolvimento de novos produtos e tecnologias.
A queda de 26,6% no mercado em relação a 2014 gera dúvidas. Fábricas suspenderam a produção várias vezes e reduziram o quadro de pessoal em 14,7 mil trabalhadores. Na fábrica em Gravataí, adota-se layoff em parte do quadro. Este ano, o mercado começou com nova queda de quase 40% nas vendas anualizadas em janeiro. Ammann ressalta que o novo pacote de investimento só começará a ser efetivamente aplicado em 2017, o que dá tempo para avaliar seu cancelamento. "Dividimos nossas responsabilidades com os acionistas e qualquer investimento tem de ser avaliado à luz de um retorno", reforça Barry Engle, presidente da GM para a América do Sul.
"A pergunta mais importante é saber quando vamos ver a estabilidade para criar uma situação que permita continuar nossos investimentos", diz Ammann. "Estamos preocupados, pois o ambiente está instável e sem previsão para os próximos anos." Ele sugere ao Brasil observar o que ocorre na Argentina. "O país demonstrou como a situação pode mudar rapidamente com uma liderança correta na economia." Para ele, o mesmo tipo de perspectiva pode ocorrer no Brasil, "se as mudanças corretas acontecerem".
O câmbio desvalorizado poderia ajudar na exportação, mas, no caso da GM, acaba atrapalhando, diz Ammann. "Temos nossas receitas e custos em moeda local, e importamos alguns componentes. Por isso, uma moeda fraca é negativa para a gente." Ele diz ainda que, para criar oportunidades de exportação de longo prazo é preciso ter um ambiente regulatório estável, regras comerciais, regime mais simples de impostos, "e a gente não tem nada disso aqui".
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Estado tem menor nível de exportação desde 2009 Robertshaw encerra sua produção em Caxias do Sul Crise reduz benefícios do câmbio para as indústrias Linha branca terá o pior 4º trimestre em 12 anos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo