Porto Alegre, terça-feira, 16 de fevereiro de 2016. Atualizado às 07h08.
Dia do Repórter.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
31°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9950 3,9970 0,15%
Turismo/SP 3,7500 4,1200 0%
Paralelo/SP 3,7500 4,1200 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 16/02/2016. Alterada em 16/02 às 08h09min

Opinião econômica: Minha Escola, Minha Vida

Jonathan Heckler/Arquivo/JC
Nizan Guanaes é publicitário e presidente do Grupo ABC

Nizan Guanaes

Escrevo sob o impacto e o sofrimento da apuração das escolas de samba do Rio. Foi uma vitória épica da Mangueira, "powered by" Bethânia e o axé do Gantois. Recordo o quanto minha Mãe Cleusa amava Bethânia, amor herdado de sua Mãe Menininha, que nossa linda Mãe Carmen herdou de novo.
Bethânia é o orgulho de nossa casa, seja a nossa casa o Terreiro do Gantois, a Bahia ou o Brasil.
Nesta hora aflita da nação, cheguei ao desfile das campeãs na Sapucaí como um refugiado, um ser em busca de uma pátria. E lá - linda, garbosa, soberba - estava ela, verde e rosa na avenida, a Mangueira. E, pelas mãos dos mangueirenses, vi um Brasil empreendedor, criativo, trabalhador e orgulhoso. Sim, tenho uma pátria.
Acredito muito nos méritos do programa Minha Casa Minha Vida. Mas o País precisa também dar ênfase ao projeto Minha Empresa, Minha Vida, ou, como preferem os mangueirenses, Minha Escola, Minha Vida - programas sociais que puxem e desenvolvam o lado empreendedor dos brasileiros.
Nesses dias de tanta zica, Iansã nos deu uma transfusão momentânea de fé no Brasil.
Sempre sinto essa fé quando vou à Sapucaí. Lá vejo um Brasil profundo emergir com seu talento, sua capacidade de fazer nos braços e nas vozes negreiras deste País de apartheid sem fim.
Neste ano, a Sapucaí valeu-me ainda mais. Levei comigo um dos meus filhos, que, aos 17 anos, vive desencanto com seu País. É triste ver esse desencanto dos jovens. Com o dólar a R$ 4,00, tem sido duro segurar criativos que querem nos deixar para brilhar na publicidade americana e inglesa. Falta segurança, falta perspectiva, falta esperança.
O burro velho aqui resiste. E, em vez de querer me refugiar em Miami, me refugio na Mangueira, me refugio em Clarice Lispector, em Drummond, me refugio em Caetano, Bethânia e Chico, me refugio naquela notícia pequena e boa perdida no jornal.
Não sou um otimista, sou um resiliente. Nasci em 1958. Quando tinha seis anos, o Brasil entrou numa ditadura e só saiu quando eu tinha 26. Construí minha vida e minha carreira, sempre, sob condições econômicas e políticas duras e dramáticas.
Quando Guga Valente e eu começamos nossa primeira empresa, a DM9, o Plano Collor levou todo o dinheiro que os investidores colocaram. Tivemos de refazer tudo do zero. Mas em nenhum momento desse longo caminho de descaminhos, em que tinha tantos motivos para deixar o meu País, fui para Miami.
Sempre fui animado com o Brasil mesmo quando faltava motivo e isso foi quase o tempo todo. Só de 1993 para cá tivemos alguma brisa e rumo, mas, como diria Roberto Campos, o Brasil não perde a oportunidade de perder uma oportunidade.
Fizemos a DM9 em condições horríveis, mas fizemos. E ela se transformou em uma das mais premiadas agências do mundo. O Grupo ABC foi construído sob os altos e baixos da América Latina, mas fizemos dele uma empresa imensa e respeitada.
Portanto, apesar do desalento que também me invade como a qualquer outro ser humano e empresário, penso o seguinte: tenho três filhos e 2.500 famílias que dependem do grupo que comando. Não posso jogar a toalha.
Quem é do Gantois como eu e já viu tantas coisas sobrenaturais acontecerem sabe que Iansã há de em algum momento soprar longe essas nuvens negras que pairam sobre o Brasil.
Valei-me Maria Bethânia. Valei-me Iansã. Valei-me Mangueira. Olhando para os mangueirenses cantando orgulhosos, donos do mundo, vislumbro um futuro para o Brasil. Que será construído do talento empreendedor dos brasileiros, das mãos calejadas e da fé do nosso povo.
Publicitário e presidente do Grupo ABC
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Opinião econômica: Pra não dizer que não falei das flores A moda do empreendedorismo Opinião Econômica: Fracasso Vivemos a revolução do conteúdo

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo