Porto Alegre, terça-feira, 09 de fevereiro de 2016. Atualizado às 21h32.
Dia do Zelador.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
30°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9090 3,9110 0,38%
Turismo/SP 3,7500 4,0400 1,25%
Paralelo/SP 3,7500 4,0400 1,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Emprego Notícia da edição impressa de 10/02/2016. Alterada em 09/02 às 22h27min

Desemprego preocupa no setor de serviços administrativos e complementares

ANA PAULA APRATO/ARQUIVO/JC
Segmento inclui tarefas de limpeza, vigilância e telemarketing

Um dos últimos pilares de resistência à crise, o setor de serviços administrativos e complementares começou a demitir, no fim de 2015, diante da escolha de empresas em reduzir a demanda por esse tipo de atividade. Sem escolha, o segmento - que inclui tarefas de limpeza, vigilância e telemarketing - está mandando para a fila do desemprego pessoas com menor qualificação e remuneração, que podem encontrar dificuldades para se recolocar no mercado de trabalho.
Além disso, como o setor é intensivo em mão de obra, o sinal de que a crise bateu à porta pode ainda reforçar o círculo vicioso já visto nos últimos meses. Quando essas pessoas são demitidas, elas passam a consumir e gastar menos, deprimindo ainda mais a atividade econômica e gerando mais desemprego.
As empresas não têm mostrado disponibilidade em contratar. Em janeiro, a Sondagem de Serviços da Fundação Getulio Vargas (FGV) mostrou que 27% das empresas de serviços administrativos e complementares pretendem demitir nos próximos três meses. Além disso, 34,8% reclamam de demanda insuficiente.
"Os serviços como um todo foram os últimos a entrar em trajetória de declínio. Houve desaceleração quando a perda de renda começou a ser mais acentuada, e esse processo ocorreu mais rápido do que em outros setores justamente por conta dessa demora", explica o economista Silvio Sales, consultor da FGV e coordenador da sondagem. "O problema é para o mercado de trabalho como um todo. Assim como o crescimento do setor de serviços se deu com admissão de pessoas, a desaceleração agora é demitindo trabalhadores", acrescenta. "Estamos longe de uma recuperação no setor."
O setor de serviços administrativos e complementares (que inclui atividades de limpeza, vigilância, recepção, telemarketing, cobrança e auxiliar administrativa) mergulhou em uma trajetória negativa em julho do ano passado, quando o volume encolheu 2,8% em relação a igual mês de 2014. Desde então, o ritmo de queda só se intensificou até atingir uma perda de 6,4% em novembro, segundo o mesmo tipo de comparação, aponta o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Como essas funções são consideradas mais "essenciais", as empresas relutaram em demitir. Mas a falta de perspectiva de recuperação na economia acabou falando mais alto. No trimestre até outubro de 2015, 429 mil pessoas que trabalham nos setores de informação, comunicação, serviços administrativos e complementares foram dispensadas em relação a igual período de 2014, segundo os dados mais recentes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua.
A pesquisa sobre o mercado de trabalho do IBGE engloba mais segmentos do que apenas os administrativos e complementares, mas dá uma boa pista do movimento que também é percebido por agências de emprego. Na Vagas.com, as candidaturas para o posto de auxiliar/operacional avançaram 25% em 2015 ante o ano anterior. No entanto, a oferta de vagas para essas funções cresceu apenas 6% no período.
"A oferta de vagas foi desacelerando durante o ano. O primeiro trimestre de 2015 teve um bom volume de vagas divulgadas, mas, no último trimestre, houve uma queda bem forte", explica Rafael Urbano, especialista em Inteligência de Negócios da Vagas.com. Em janeiro deste ano, o cenário piorou ainda mais. A procura aumentou 37% em relação a igual mês de 2015, mas a oferta de vagas nesse segmento despencou 50%.
"É um indicativo de que pode continuar nesse mesmo patamar (de piora) nos próximos meses", avalia Urbano. O aperto no número de vagas deve preocupar quem está desempregado, já que as empresas vão tentar aproveitar esse momento para melhorar a qualidade.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Inativos atingem 45% da força de trabalho em Porto Alegre Participação de pessoas idosas no mercado de trabalho cresce 194% Taxa de desemprego fica em 6,8% na média de 2015

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo