Porto Alegre, quinta-feira, 04 de fevereiro de 2016. Atualizado às 21h39.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
26°C
29°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8940 3,8960 0,61%
Turismo/SP 3,7500 3,9900 3,85%
Paralelo/SP 3,7500 3,9900 3,85%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Balanço Notícia da edição impressa de 05/02/2016. Alterada em 04/02 às 22h00min

Lucro da Renner em 2015 cresce 22,8% e chega a R$ 578,8 milhões

JOÃO MATTOS/JC
Companhia credita sucesso a maior compreensão das regionalidades

Guilherme Daroit

Entra ano, sai ano, e o cenário não parece mudar: enquanto o varejo brasileiro sofre, a Lojas Renner acumula crescimentos. Em 2015, não foi diferente, com o grupo fechando o ano com um aumento de 22,8% em seus lucros, que chegaram a R$ 578,8 milhões. O balanço anual também mostra aumentos na Receita Líquida das Vendas, que cresceu 17,4%, e no Ebitda ajustado total, na ordem de 18,4%.
"Tivemos um ano muito bom, que, se comparado aos indicadores do setor, nos mostra que a Renner está ganhando market share", comenta o diretor administrativo-financeiro e de relações com investidores da Lojas Renner, Laurence Gomes. Ele cita, por exemplo, a Pesquisa Mensal do Comércio, do IBGE, que, no acumulado até novembro, registra dados bem piores, com recuo de 8,1% para o comércio de tecidos, vestuário e calçados. Para Gomes, a explicação para o bom desempenho do grupo passa, principalmente, pelo que define como um "conhecimento mais amplo das diferenças regionais do País". "Estamos conseguindo adaptar tendências mundiais de moda ao território brasileiro, captando diferenças climáticas e culturais de cada região", argumenta o diretor. Esse fato, aliado ao gerenciamento dos estoques, teria gerado um menor nível de remarcações de preços, elevando a margem bruta da operação de varejo em 1 p.p., chegando a 54,8%.
O resultado negativo de destaque do balanço do grupo fica por conta dos produtos financeiros, que registraram R$ 208,4 milhões em 2015, ante R$ 217,5 milhões em 2014. Gomes elenca a incidência tributária de PIS/Cofins e o aumento do custo de funding decorrente da elevação da taxa Selic como justificativas. A inadimplência, ainda de acordo com o diretor, embora em elevação, ainda estaria dentro da "normalidade histórica", sem preocupar a companhia.
Outro fato comemorado por Gomes é que, no ano passado, pela primeira vez, foi registrado lucro pela Camicado, rede de casa e decoração do grupo, e pelo e-commerce, que também emplacou vendas maiores do que qualquer uma das suas 275 lojas físicas. No indicador Vendas em Mesmas Lojas, que desconsidera as 27 unidades abertas em 2015, o crescimento foi de 10,8%. "Para 2016, esperamos um ritmo de crescimento mais moderado, até porque a base de comparação será alta", argumenta Gomes.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo