Porto Alegre, quarta-feira, 03 de fevereiro de 2016. Atualizado às 23h31.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
31°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9180 3,9200 1,70%
Turismo/SP 3,8500 4,1500 0,95%
Paralelo/SP 3,8500 4,1500 0,95%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Notícia da edição impressa de 04/02/2016. Alterada em 03/02 às 22h47min

Deputado Jardel deve quebrar silêncio em subcomissão de Ética

JONATHAN HECKLER/JC
Mário Jardel, do PSD, é alvo da Operação Gol Contra

Juliana Mastrascusa, especial para o JC

O deputado estadual Mário Jardel (PSD) deve quebrar o silêncio e testemunhar na subcomissão da Assembleia Legislativa responsável por analisar as acusações do Ministério Público (MP) contra a conduta do ex-jogador no mandato. O parlamentar permaneceu calado durante reunião da Comissão de Ética quando convocado em dezembro.
Segundo seu advogado, a decisão se deu por Jardel não saber do que era acusado. "Ele não tinha falado, porque ele não tinha o que falar. Em nenhum momento, disseram a denúncia para ele, para saber do que estava se defendendo. Formada a comissão, se me mandarem a acusação, ele se defende", afirmou Amadeu Weinmann.
A criação da subcomissão acontecerá hoje no plenarinho, após a sessão ordinária. Anteriormente marcada para quarta-feira, depois da primeira sessão do ano, o encontro foi transferido em função da sessão solene de posse de Silvana Covatti (PP).
"A tarefa dessa subcomissão é ouvir o Jardel e o seu advogado para que ele tenha a chance de se defender das acusações que recaem sobre ele. Não só investigar, no sentido de buscar uma possível penalização, mas também ouvir os argumentos da sua defesa", explica o presidente da Comissão de Ética, deputado Juliano Roso (PCdoB).
Composto por três dos 12 deputados da Comissão de Ética, o grupo será formado durante a reunião do dia 4 e terá o prazo de cinco sessões ordinárias, aproximadamente três semanas, para tomar uma decisão. O caso Jardel pode ter os seguintes desdobramentos para o deputado: uma advertência, interna ou pública, seu afastamento temporário ou a pena máxima de cassação do mandato. A última opção deve passar ainda pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para que constate ou não a legalidade do processo. Se confirmando, o processo vai ao plenário para votação de todos os deputados. O corregedor, deputado Marlon Santos (PDT), já manifestou sua opinião favorável à cassação.
Segundo o advogado de Jardel, tudo o que o parlamentar sabe sobre o caso é o que é publicado na imprensa. O deputado foi alvo da chamada Operação Gol Contra e é acusado de contratação de funcionários-fantasma, lavagem de dinheiro, extorsão de pessoas com cargos em comissão (CCs), falsificação de documentos e desvio de verbas públicas pelo MP. Foram apreendidos documentos em seu gabinete e residência.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Parlamento gaúcho tem primeira mulher a assumir comando Silvana Covatti é primeira presidente mulher na história da AL Concessão de rodovias e projetos sobre servidores serão prioridade na pauta da Casa Brum apresenta balanço da sua gestão na presidência da Casa

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo