Porto Alegre, segunda-feira, 25 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h27.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
27°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0952 4,0968 0,32%
Turismo/SP 3,8700 4,3200 0%
Paralelo/SP 3,8700 4,3200 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Editorial Notícia da edição impressa de 26/01/2016. Alterada em 25/01 às 20h37min

Brasil não pode e não vai virar uma nova Grécia

A sucessão de más notícias parece não acabar, como as da Pesquisa Focus desta segunda-feira. Todos as semanas, os indicadores sobre inflação, queda do Produto Interno Bruto (PIB) e desemprego assombram o Brasil. Há quem se desespere, principalmente os 1,5 milhão de patrícios que perderam um posto de trabalho formal no ano passado. Por isso, há quem vaticine que o País está no caminho de se tornar uma nova Grécia. Exagero, eis que temos cerca de US$ 350 bilhões em reservas e esse colchão de dólares nos garante enfrentar as dificuldades e honrar os compromisso externos, ao contrário do governo de Atenas, que ficou e ainda está devendo para bancos, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Central Europeu (BCE).
Porém, especialistas em finanças alertam que se o ajuste fiscal e as reformas não forem implementadas logo, o Brasil pode, sim, se tornar a Grécia da América Latina. E não queremos que isso aconteça, é claro. Seria passar do fundo do poço e olhar de baixo para cima a nossa economia, para citar o que corre em redes sociais como críticas ao que se está sofrendo há mais de ano, no mínimo.
A presidente Dilma Rousseff (PT) insiste em dizer que o trabalho do governo é diminuir os índices inflacionários e trazê-los para a meta conforme prevê o Banco Central, que é de 6,5, no teto, sendo o centro o percentual de 4,5% ao ano. Mas, até 2020, segundo analistas, está difícil. Está certo que as atuais dificuldades do Brasil não são apenas nossas. Países emergentes, como a grande China, estão sofrendo, e o governo comunista de Pequim dará uma guinada por mais consumo, deixando de lado o crescimento baseado apenas no investimento, como até hoje. Porém, as dificuldades de mercado encontradas na América Latina podem criar oportunidades de aquisições.
O importante no Brasil atual, da instabilidade e da sucessão de más notícias econômico-financeiras, é não perder o rumo. Muita gestão, parcimônia nos gastos, enxugamento da máquina pública e buscar investimentos com planejamento. Não podemos ficar feito uma nau de insensatos, sem saber o rumo que devemos tomar, que é o mesmo desde sempre: trabalho, organização, investimento, girar a roda da economia e abrir empregos.
Austeridade e focar na industrialização é fundamental para que a economia volte a crescer, além das reformas. Não podemos continuar, como na época do Império, atrelados apenas à produção primária, por mais importante - e como tem sido! - que ela seja para o País. É o único setor da economia, aliás, que tem superado as dificuldades e conseguido amealhar rendimentos e superávits. A sucessão de denúncias sobre desvios de dinheiro público é uma desilusão até mesmo para quem votou na grei partidária que está, há 13 anos, no poder federal. Evidentemente que a corrupção não começou agora, porém a capilaridade em órgãos públicos os mais diversos e a extensão das vigarices é que atormentam a mente de todos nós, que labutamos diariamente, como empregados, autônomos e empresários da indústria, do comércio e dos serviços, pagando altos tributos e vendo sempre os problemas se agigantarem e as soluções postergadas.
Enfim, se esperança é sinônimo de brasileiro, temos que aguardar dias melhores. Por isso, as reformas tão faladas mas jamais executadas devem vir, e logo. Com elas, um Brasil mais organizado, despojado de tantas repartições que acabam sendo parte do problema e não mais solução. Agir para que venham mudanças.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Simulações superficiais perpetuam problemas no País
Chegou a vez de as acusações recaírem justamente sobre alguém que se diz paladino da República, o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ)

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo