Porto Alegre, segunda-feira, 18 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h33.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
28°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0330 4,0350 0,29%
Turismo/SP 3,6500 4,2300 0%
Paralelo/SP 3,6500 4,2300 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 19/01/2016. Alterada em 18/01 às 21h11min

A gestão da chantagem

Jeferson Fernandes

Pode-se definir a chantagem como o exercício de um processo de pressão e/ou tortura mental sobre outra pessoa a fim de receber desta algo de seu interesse. O termo pode bem resumir a atuação do governo Sartori até agora. Os serviços públicos e o Parlamento foram submetidos à lógica de aprovar pacotes de ajuste fiscal sempre sob ameaças implícitas no discurso do caos adotado pelo governo e aliados.
Primeiro foi o atraso e parcelamento dos salários, onde a única alternativa era o aumento de impostos. Até mesmo o projeto que autorizava ampliar o uso dos depósitos judiciais foi condicionado, primeiro, à aprovação do tarifaço.
O tarifaço passou, e a chantagem voltou à ordem do dia: era preciso alterar o Regime de Previdência e o teto para pagamento das RPVs. E de novo os salários e o 13º voltaram a ser uma incógnita. As duas medidas foram aprovadas pela base aliada na AL/RS. Mas a sede neoliberal do governo Sartori é insaciável.
Nenhuma iniciativa que promovesse o desenvolvimento do Estado foi tomada. Pior ainda: o governo deixou de aplicar R$ 230 milhões em acessos asfálticos e estradas, de projetos da gestão Tarso Genro. Para não devolver esse dinheiro ao Bndes (já que não usou), pediu autorização à AL para aportar os recursos na Caixa de Administração da Dívida Pública (Cadip). Ou os deputados aprovavam, ou o dinheiro voltaria ao Bndes. Menos para as estradas. Hoje, com as rodovias em péssimas condições, o governo apresenta sua mais nova chantagem: o PL 509/2015, que trata da concessão de rodovias, com a volta dos pedágios.
Agora, começa 2016 dizendo que a prioridade é a concessão das rodovias para depois pensar em contratar brigadianos e pagar professores, ameaçados de perder o completivo que garante o piso do magistério. O governo está levando a população ao limite para impor sua visão privatista. A chantagem será retomada após o recesso. Num Parlamento que vive com a suspeição da compra de votos. Com ou sem segredos? A população gaúcha deve exigir a resposta.
Deputado Estadual - PT/RS
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Por que os empreendedores precisam fazer gestão? Opinião econômica: Acomodação Opinião econômica: Indústria Balanço do ano de 2015 no e-commerce em seis transformações

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo