Porto Alegre, segunda-feira, 18 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h41.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
28°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0330 4,0350 0,29%
Turismo/SP 3,6500 4,2300 0%
Paralelo/SP 3,6500 4,2300 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Diplomacia Notícia da edição impressa de 19/01/2016. Alterada em 18/01 às 20h10min

Irã rechaça novas sanções dos EUA

IRANIAN SUPREME LEADER'S WEBSITE /AFP/JC
Aiatolá Ali Khamenei considera medida uma violação do acordo nuclear

O governo do Irã afirmou ontem que as novas sanções impostas pelos Estados Unidos contra o país são "ilegítimas", e prometeu continuar desenvolvendo suas Forças Armadas nos marcos de seus compromissos internacionais. Na noite de domingo, a Casa Branca anunciou que irá punir 11 indivíduos e empresas envolvidos no fornecimento de tecnologia usada em um teste de mísseis balísticos realizado pelo Irã em outubro.
"As sanções dos EUA contra o programa de mísseis balísticos do Irã (...) não têm legitimidade legal ou moral", declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano, Hossein Jaberi Ansari. A chancelaria iraniana também disse, em comunicado, que "a República Islâmica responderá a essas medidas agravantes e propagandísticas desenvolvendo mais do que nunca seu programa legal de mísseis e suas capacidades de defesa".
As novas sanções foram anunciadas menos de 24 horas depois de a Casa Branca e a União Europeia (UE) derrubarem punições bem mais abrangentes, que vinham sufocando a economia iraniana. A medida coincidiu com uma troca de prisioneiros entre Irã e EUA, e foi anunciada após a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) declarar que Teerã cumpriu os compromissos assumidos sob o acordo nuclear assinado em julho do ano passado.
O Irã afirma que o teste balístico realizado em outubro envolvia mísseis convencionais, mas a ONU considerou que o país persa havia violado resoluções internacionais que o proíbem de desenvolver artefatos capazes de transportar armas nucleares. De acordo com o jornal conservador Kayha, o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, disse que novas sanções sob qualquer pretexto constituiriam uma violação do acordo nuclear.
Segundo uma fonte diplomática, o presidente do Irã, Hasan Rouhani, visitará Itália e França na semana que vem, em sua primeira viagem à Europa desde o levantamento das sanções ocidentais. Rouhani estará na Itália entre 25 e 26 de janeiro, onde deve se reunir com o Papa Francisco e líderes políticos e empresariais. No dia 27, segue para a França.
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Equador deve permitir interrogatório de Assange

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo