Porto Alegre, domingo, 10 de janeiro de 2016. Atualizado às 17h19.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
31°C
31°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0380 4,0400 0,34%
Turismo/SP 3,7000 4,2300 0,47%
Paralelo/SP 3,7000 4,2300 0,47%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

egito 10/01/2016 - 18h20min.

Parlamento do Egito realiza sessão pela primeira vez em 3 anos

O primeiro Parlamento do Egito em mais de três anos, uma Casa com 596 cadeiras cheia de partidários do presidente, Abdel-Fattah el-Sissi, se reuniu pela primeira vez neste domingo. A assembleia, eleita em novembro e dezembro, é também a primeira Câmara eleita desde que el-Sissi, como chefe do Exército, liderou o golpe de Estado que derrubou o presidente Mohamed Morsi em 2013, após grandes protestos contra o líder islâmico e seu partido, a Irmandade Muçulmana.

O Parlamento anterior era dominado pelos islâmicos e foi dissolvido por ordem judicial em 2012. A primeira tarefa do novo Legislativo será ratificar os 300 decretos presidenciais emitidos por el-Sissi, que assumiu o poder em junho de 2014, e antes dele pelo presidente interino Adly Mansour. Segundo a Constituição, os decretos devem ser ratificados até 15 dias após a sessão inaugural, ou perdem validade.

Entre os decretos há uma lei que restringe severamente as manifestações nas ruas e uma lei antiterrorista que limita a liberdade de imprensa e concede amplos poderes à polícia.

A sessão deste domingo é principalmente protocolar, na qual os legisladores realizam um por um o juramento do cargo. Também se espera que sejam eleitos um presidente e dois vice-presidentes da Casa.

Após a queda de Morsi, el-Sissi anunciou três medidas para devolver a democracia ao país: uma nova Constituição, eleições para a presidência e uma votação para eleger o Parlamento. Mas o processo se desenrolou em meio a uma dura repressão contra os islâmicos e outros dissidentes, com a prisão de milhares de pessoas. A Irmandade Muçulmana, que venceu com folga todas as eleições desde o levante popular de 2011 que derrubou o presidente Hosni Mubarak, foi qualificada como grupo terrorista.

A participação nas eleições parlamentares do ano passado ficou na casa dos 30% e a maioria dos eleitos apoia o presidente. 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Funcionários apontam falhas de segurança em aeroporto

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo