Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 22 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

ENERGIA

25/01/2016 - 22h27min. Alterada em 25/01 às 22h18min

Projeto de termelétrica em Rio Grande segue sem licença

Jefferson Klein
A expectativa de que a licença de instalação do projeto da termelétrica a gás natural, que o Grupo Bolognesi pretende instalar em Rio Grande, sairia no segundo semestre do ano passado não se confirmou. Conforme a Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), a companhia está reunindo informações para instruir o processo. Somente após esta fase, os técnicos do órgão ambiental terão condições de concluir a análise.
O chefe do departamento de Controle da Fepam, Renato das Chagas e Silva, adianta que a perspectiva é de que os documentos técnicos sejam entregues em fevereiro. Procurado pela reportagem do Jornal do Comércio, o Grupo Bolognesi informou que somente se pronunciará sobre o empreendimento quando conquistar o licenciamento.
A térmica será acompanhada de um terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) e de um gasoduto que ligará o píer à usina. Essas iniciativas também terão que passar pelo processo de licenciamento, contudo terão implementações mais rápidas do que a térmica. Somadas, as estruturas absorverão cerca de R$ 3,3 bilhões em investimentos.
A termelétrica terá uma capacidade instalada de 1.238 MW (cerca de um terço da demanda média de energia do Rio Grande do Sul). O Grupo Bolognesi venceu, em 2014, um leilão promovido pelo governo federal, obtendo o contrato que garantiu a venda da energia que será produzida pela futura usina. Pelo acerto, o fornecimento de energia tem que ocorrer até 1 de janeiro de 2019. Uma fonte que acompanha o tema diz que o tempo restante de construção é escasso, no entanto, não é impossível de ser atendido. Além da questão do licenciamento ambiental, a fonte aponta a complexa estruturação financeira do projeto como outro obstáculo a ser superado pelo Grupo Bolognesi. Futuramente, a ideia da empresa é participar da implantação de um gasoduto para trazer gás de Rio Grande até a Região Metropolitana.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
valdecir jose caramori 22/01/2018 11h35min
Bom dia, estou interssado em saber mais refente a este projeto fantástico. Já tem outras negociações?