Porto Alegre, segunda-feira, 18 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h35.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
28°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0330 4,0350 0,29%
Turismo/SP 3,6500 4,2300 0%
Paralelo/SP 3,6500 4,2300 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Contas Públicas Notícia da edição impressa de 19/01/2016. Alterada em 18/01 às 22h25min

Barbosa quer aumentar receita e cortar gastos

WILSON DIAS/ABR/JC
Para Nelson Barbosa, clima político está melhor para aprovar medidas

A política econômica do Brasil está focada em melhorar a situação financeira do governo e ajudar a estimular o crescimento, afirmou o ministro da Economia, Nelson Barbosa, em reunião com repórteres nesta segunda-feira.
O novo ministro da Fazenda disse que pretende aumentar as receitas, controlar os gastos e que não espera ter que resgatar a Petrobras este ano. Os planos para levantar dinheiro vendendo participações em duas companhias estatais, a Caixa Seguridade e o Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), podem acontecer ainda este ano caso as condições de mercado melhorem, acrescentou.
Barbosa chegou ao cargo no mês passado, substituindo Joaquim Levy. Ele tem a desafiadora tarefa de ressuscitar a moribunda economia do Brasil, pondo fim a uma recessão severa sem precisar recorrer ao bolso do contribuinte, o que poderia prejudicar o déficit e a inflação no País.
No ano passado, esforços do governo da presidente Dilma Rousseff e encabeçados pelo ex-ministro Levy para encolher o déficit foram frustrados pelo impasse político em que vive o Congresso. Para Barbosa, o clima político este ano deve se mostrar melhor para a aprovação das medidas econômicas necessárias. "Nosso maior desafio é o fiscal. Todos (os políticos) entendem sua importância", disse.
Uma situação fiscal mais confortável trará inúmeros benefícios para a economia do País, assegurou o ministro. Um déficit fiscal menor irá contribuir com os esforços contra a inflação, assim como ajudar a levar para baixo a taxa de juros. A medida também tornará o Brasil mais atrativo a investidores estrangeiros, disse.
O governo também examina outros métodos para ajudar na retomada do crescimento, incluindo orientar os bancos estatais a conceder mais empréstimos para pequenas empresas, construtoras, agricultores e outros setores. Barbosa afirmou que o plano, cujos detalhes devem ser anunciados ainda este mês, é usar recursos dos próprios bancos.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Pagamentos de pedaladas somam R$ 72,4 bilhões em 2015
Ministério da Fazenda informou o valor
Cobrança da dívida ativa ultrapassa R$ 1,6 bilhão Resíduo da dívida do Estado cai R$ 18 bilhões

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo