Porto Alegre, segunda-feira, 18 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h35.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
28°C
32°C
21°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0330 4,0350 0,29%
Turismo/SP 3,6500 4,2300 0%
Paralelo/SP 3,6500 4,2300 0%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

INDÚSTRIA NAVAL Notícia da edição impressa de 19/01/2016. Alterada em 18/01 às 21h35min

Projeto de estaleiro em Porto Alegre continua estagnado

ANTONIO PAZ/JC
Expectativa é que o empreendimento fosse construído em área próxima à rodoviária

Jefferson Klein

Apesar da MB Serviços de Manutenção e Reparos Industriais (MBS) e o governo do Estado terem firmado, em outubro de 2014, protocolo de intenções para a instalação de um complexo de construção naval em uma área próxima à rodoviária de Porto Alegre, as obras ainda não saíram do papel. Em nota, a Superintendência de Portos e Hidrovias (SPH) informa que as operações não começaram devido ao licenciamento ambiental (a companhia estaria tentando obter a liberação) e não há previsão para o início das atividades.
A última movimentação envolvendo o empreendimento ocorreu em outubro do ano passado, com a assinatura do contrato de uso temporário do terreno entre a MBS e a SPH. O acordo estabelece a regulamentação da utilização da área localizada dentro do porto organizado da Capital, no Cais Navegantes, um espaço total de aproximadamente 36 mil metros quadrados. O aluguel está estimado em cerca de R$ 70 mil ao mês, e o acerto tem duração por 18 meses, renovável por mais 18 meses. A MBS também já adiantou a vontade de disputar, futuramente, o uso de outra área próxima à Arena do Grêmio.
A intenção da companhia, oriunda de Itaboraí (RJ), é realizar a fabricação e a montagem de módulos a serem instalados em plataformas de petróleo, que seriam utilizadas pela Petrobras na exploração do pré-sal. A reportagem do Jornal do Comércio tentou, sem sucesso, entrar em contato com os diretores da MBS. Uma fonte que acompanha o assunto acredita que o cenário conturbado do setor de óleo e gás, devido à crise econômica e à Operação Lava Jato, impactou o projeto, que pode acabar não se materializando.
Antes da iniciativa da MBS, as empresas Ecovix e Irigaray manifestaram a intenção de implementar uma unidade para fabricação de módulos de plataformas de petróleo na mesma área, mas acabaram abandonando a ideia.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Metasa manterá atividade em Charqueadas QGI e Petrobras estão prestes a firmar acordo Estaleiro Rio Grande enfrenta nova paralisação

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo