Porto Alegre, quinta-feira, 14 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h31.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
31°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,9970 3,9990 0,29%
Turismo/SP 3,6500 4,2200 1,19%
Paralelo/SP 3,6500 4,2200 1,19%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Trabalho Notícia da edição impressa de 15/01/2016. Alterada em 14/01 às 21h27min

Novo mínimo injeta R$ 3,1 bilhões no Rio Grande do Sul

Patrícia Comunello

Os R$ 92,00 a mais no salário-mínimo nacional, que subiu a R$ 880,00 neste mês, vão injetar R$ 3,1 bilhões na economia do Estado em 2016. No País, o acréscimo é de R$ 57 bilhões. A chamada política de valorização do piso deve alcançar 48 milhões de brasileiros, mais de 22 milhões de aposentados e outros beneficiários do INSS (quase 70% dos segurados). No Rio Grande do Sul, serão 2,6 milhões de pessoas (maior número é de 1,6 milhão de beneficiários da Previdência Social) que devem ter o acréscimo aos ganhos, com pagamento previsto para começo de fevereiro.
O impacto foi medido pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), indicando que o reajuste nominal de 11,68% implica em 0,36% de aumento real (o INPC é usado como referência e foi de 11,28% em 2015). Foi o menor aumento real desde 2002. Os analistas do departamento ressaltaram que as correções buscam manter o poder de compra no longo prazo e têm efeito a outros segmentos do mercado de trabalho que usam o piso como referência a remunerações.
Além de estimar o efeito na renda, o órgão mediu a geração de tributos em 2016 devido à disponibilidade de mais recursos. No País, a estimativa ficou em R$ 30,7 bilhões. No Estado, a projeção é de R$ 1,7 bilhão aos cofres de governos. O último aumento menor que o de 2016 ocorreu em 2011, quando o reajuste foi de 6,86%, para um INPC de 6,47%. O ganho real ficou em 0,37%. O valor do piso era de R$ 545,00. Desde 2003, a correção nominal acumulada do salário foi de 340%; e o ganho real, de 77,18%, abaixo do INPC de 148,34%. O piso saiu de R$ 240,00 (2003) a R$ 880,00 (2016). No período, a maior inflação foi registrada em 2003, em 18,54%.
O maior reajuste do piso foi em 2006 (último ano do primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva na Presidência da República), que chegou a 16,67%, para uma inflação do INPC de 3,21%. O aumento real foi de 13,04%. "O mais importante é que foi dado um ganho, mesmo que seja baixo", avalia o diretor regional do Dieese, Ricardo Franzói. "O grande problema hoje é que a inflação está mais alta para quem ganha menos, e este valor não recupera o poder de compra de quem ganha o mínimo", alerta Franzói, observando que a regra atual de reajuste não pode ser perdida.
Segundo o diretor, somente a retomada do crescimento criará condições para estabelecer uma política mais adequada. "Se acharmos que reduzir o poder de compra dos salários é a forma para sair da crise, é só ver a maioria dos países desenvolvidos que está lutando para sair da recessão." Franzói ressaltou ainda a importância do cumprimento da atual política, que vigora desde 2010. Uma das mudanças foi antecipar a vigência do novo mínimo para janeiro. Também prevê a reposição do INPC e o repasse do aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.
O valor de 2016 carregou o ganho de 0,1% do PIB computado em 2014. Para 2017 e 2018, a política do mínimo pode sofrer com a queda no crescimento em 2015 e esperada para 2016. Franzói lembrou ainda que as correções do piso nacional ajudam nas negociações de categorias de trabalhadores e da atualização do piso regional. "O ganho não ajuda os sindicatos patronais que defendem reajustes abaixo da inflação", previne o diretor regional do Dieese. No Estado, até agora, está indefinido o reajuste do piso regional.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Prazo de entrega da Rais 2015 começa em 19 de janeiro
O prazo de entrega da declaração da Relação Anual de Informações Sociais (Rais 2015) começa no dia 19 de janeiro e termina em 18 de março de 2016
Contexto altera o perfil de contratação de executivos

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo