Porto Alegre, domingo, 10 de janeiro de 2016. Atualizado às 21h19.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
27°C
31°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0380 4,0400 0,34%
Turismo/SP 3,7000 4,2300 0,47%
Paralelo/SP 3,7000 4,2300 0,47%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Combustíveis Notícia da edição impressa de 11/01/2016. Alterada em 10/01 às 21h25min

Aumento da mistura de biodiesel deve sair em 2017

AGÊNCIA PETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC
Intenção é que a adição do biodiesel cresça um ponto a cada ano

Jefferson Klein

Os agentes do setor do biodiesel esperavam que fosse elevado o atual patamar de 7% de biodiesel (o chamado B7) na mistura com o óleo diesel fóssil ainda neste ano. Contudo, tanto a Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil (Aprobio) como a União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio) admitem que, em 2016, a meta não será concretizada, e todas as expectativas voltam-se para o próximo ano.
Para o presidente da Aprobio, Erasmo Carlos Battistella, o ideal seria que o B8 vigorasse o mais cedo possível. No entanto, o dirigente esclarece que não será possível, pois é preciso aguardar a votação do projeto de lei que circula pelo Congresso nacional e que trata do aumento da mistura, além de um prazo de 12 meses para fazer os testes de viabilidade da medida. Com isso, a perspectiva é que o incremento seja consolidado em 2017. Posteriormente, o desejo é que o percentual cresça um ponto a cada ano e alcance o B10 até 2019.
O otimismo das entidades baseia-se no Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 613/2015, do senador Donizeti Nogueira (PT-TO), que determina que a mistura obrigatória avance dos atuais 7% para 10%. O texto ainda faculta o uso em quantidade superior ao percentual de sua adição obrigatória no transporte público, no ferroviário, navegação interior, indústria de mineração, maquinário agrícola e geração de eletricidade. O PLS foi aprovado por unanimidade pelos senadores e agora tramita na Câmara dos Deputados, como Projeto de Lei (PL) nº 3.834/2015.
Battistella também torce para que se desenvolvam os mercados secundários de segmentos específicos que podem aproveitar o B20 e o B30. O diretor-superintendente da Ubrabio, Donizete Tokarski, complementa que o País já poderia ter avançado na mistura obrigatória e adotado o B20 Metropolitano no transporte público das cidades brasileiras com mais de 500 mil habitantes, levando em conta a questão de saúde pública, já que os grandes centros urbanos são os que mais sofrem com a poluição causada pela queima de combustíveis fósseis.
Tokarski acredita que, em 2016, o setor vai continuar com dificuldades e grande capacidade ociosa, devido à manutenção da mistura obrigatória em B7. Entretanto, a expectativa é que o cenário melhore a partir de 2017, com a aprovação, ainda neste ano, do PL 3.834/2015.

Ministério estima em mais de 3 milhões de metros cúbicos ociosidade da capacidade produtiva


FREDY VIEIRA/JC
Batistella comemora resultados da BSBIOS
Segundo dados do Ministério de Minas e Energia, a estimativa é que foi atingida uma produção de quatro milhões de metros cúbicos de biodiesel no ano passado, contra 3,4 milhões de metros cúbicos em 2014. Mesmo com o incremento, a ociosidade no setor continua elevada. Ainda conforme a pasta, a capacidade instalada de biodiesel autorizada a operar comercialmente alcançou 7,3 milhões metros cúbicos ao ano em outubro de 2015.
O levantamento mensal mais recente indica que a produção de biodiesel atingiu 355 mil metros cúbicos em outubro de 2015, 10% a mais em relação ao total produzido no mesmo período de 2014. No acumulado do ano, até outubro, a produção totalizou 3,3 milhões de metros cúbicos, valor 19,7% superior na comparação com o volume acumulado em 2014. O presidente da Aprobio, Erasmo Carlos Battistella, comenta que o resultado é algo a ser celebrado, mas poderia ter sido obtido um desempenho melhor se já tivesse sido aprovado o aumento da mistura, o que diminuiria a ociosidade das empresas.
O dirigente salienta que, se a economia do Brasil não se retraísse, o consumo de combustível seria maior. Battistella destaca que os números do ano passado ainda não foram fechados, porém a estimativa é de que o uso de diesel caiu cerca de 5%. Apesar dessas circunstâncias, o empresário comemora o fato de que, em 2015, a companhia em que ele atua como presidente, a BSBIOS, pela primeira vez em sua história, superou o patamar de R$ 2 bilhões em vendas, o que significou quase 20% a mais no seu faturamento em relação ao período anterior.
Em outubro, 51 unidades de biodiesel estavam aptas a operar comercialmente. A capacidade média das usinas era de 143 mil metros cúbicos ao ano. Dessas, 40 detinham o Selo Combustível Social e eram basicamente aquelas que participam regularmente dos leilões de biodiesel.
Outra questão que envolve o segmento é o aproveitamento de matérias-primas. Battistella projeta que a soja deve ser o insumo predominante na fabricação do biodiesel por muito tempo ainda, porque não há outra oleaginosa com escala semelhante no País. Segundo a ANP, no acumulado até outubro de 2015, a produção do biodiesel contou com a participação de 76,9% de soja, seguida pela gordura bovina (19,2%).
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Bloqueios de caminhoneiros elevam risco de faltar combustível, diz Sincopetro
Os bloqueios de rodovias por caminhoneiros liderados pelo CNT aumentam o risco de faltar combustível nos postos de abastecimento, segundo o Sincopetro de Sorocaba
Conselho da Petrobras aprova venda de 49% das ações da Gaspetro Estado elabora lei de apoio ao biometano

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo