Porto Alegre, sexta-feira, 08 de janeiro de 2016. Atualizado às 09h17.
Dia Nacional do Fotógrafo.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
23°C
29°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0420 4,0440 0,24%
Turismo/SP 3,7000 4,2500 0,71%
Paralelo/SP 3,7000 4,2500 0,71%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

logística 08/01/2016 - 10h15min. Alterada em 08/01 às 10h17min

Crise reduz desembolsos do Bndes para logística

Agência Brasil

O Departamento de Logística do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (Bndes) registrou, em 2015, queda no volume de gastos para o setor em função da crise econômica. Os recursos caíram de R$ 11,5 bilhões, em 2014, para R$ 8,3 bilhões, informou ontem (7) à Agência Brasil o gerente do departamento, José Dalto.
Ele disse que os desembolsos foram distribuídos em 2015 para projetos dos quatro principais modais, sendo 32% para ferrovias, 26% para rodovias, 22% para portos e 17% para aeroportos. O restante se destinou, em sua maioria, à construção de embarcações para navegação em rios, que tem pequena participação no total de liberações. O valor global de aplicações do Bndes no ano passado ainda não foi fechado, mas José Dalto estimou que, devido à situação econômica do país, as liberações para o setor de infraestrutura, englobando energia e logística, devem alcançar cerca de R$ 30 bilhões, dos quais R$ 8,3 bilhões para a área de logística.
Rodovias O valor significa quase o mesmo patamar de 2014 para infraestrutura (R$ 29,9 bilhões). Até 2014, a instituição estava injetando, no total, em torno de R$ 170 bilhões por ano. Segundo Dalto, o número reduzido de lançamentos na área de rodovias pelo governo, no ano passado, levou essa modalidade a diminuir sua participação nos desembolsos do Bndes de 36%, em 2014, para 26% no ano passado, o que levou o setor ferroviário a ser mais representativo, contra participação de 21% no ano anterior.
"Quando a gente fala de ferrovias, não fala só de infraestrutura. Fala também de aquisição de vagões, locomotivas, que o departamento também financia", acentua. Observou, entretanto, que nesse setor não estão incluídos desembolsos para sistemas metroviários, que fazem parte de outra área do banco, e de transporte de carga. Para portos e aeroportos, as participações assinaladas em 2014, nos desembolsos de logística, foram, respectivamente, de 25% e 15%.
Transferência O gerente do Departamento de Logística lembrou que, quanto a  rodovias, alguns projetos foram transferidos para 2016, o que acabou frustrando as expectativas. "Isso envolve, muitas vezes, o desembolso de empréstimo-ponte, bastante significativo e que pode chegar a até 30% do valor total financiado. Como não saiu muita coisa (em 2015), isso deu uma frustração de expectativa em rodovias". A crise acabou afetando o movimento das estradas. Com isso, demorou um pouco a análise desses projetos que representam receita futura, explicou, De 2003 para cá, a carteira do Departamento de Logística do Bndes somou 200 projetos financiados, que resultaram em investimentos das empresas de R$ 140 bilhões, com participação do banco de R$ 63 bilhões.
Para os próximos quatro anos - de 2016 a 2019 - a projeção do Bndes é que os investimentos no setor de logística atinjam R$ 153 bilhões. "E a gente está prevendo uma participação muito significativa para rodovias (57%), 22% para ferrovias, 10% para portos e 11% para aeroportos". Os financiamentos do banco para logística no quadriênio devem totalizar R$ 49 bilhões.
Gastos Para este ano, as perspectivas são promissoras, principalmente para o setor rodoviário, com a retomada do programa de concessões do governo federal e com projetos que estavam em carteira, mas que não tinham sido contratados. As estimativas de gastos para a área de logística este ano alcançam R$ 9,3 bilhões, que resultarão em investimentos das empresas de R$ 38 bilhões. Na área de aeroportos, deverá ocorrer a contratação de longo prazo do Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), no primeiro trimestre deste ano, e do Aeroporto de Confins, no terceiro trimestre, que já têm empréstimo-ponte. Estão previstos desembolsos para projetos rodoviários e portuários, além daqueles dentro do Programa de Investimentos em Logística 2, cujas liberações são previstas para o final de 2016.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Hidrovia aumentará fluxo de cargas em 2016 Navegação Guarita projeta novas embarcações Licitação para primeira fase do aeromóvel de Canoas será aberta em 2016 Movimento do porto do Rio Grande cresce 6%

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo