Porto Alegre, quarta-feira, 06 de janeiro de 2016. Atualizado às 16h15.
Dia de Reis.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
32°C
31°C
24°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 4,0180 4,0200 0,67%
Turismo/SP 3,7000 4,2200 0,47%
Paralelo/SP 3,7000 4,2200 0,47%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Indústria Notícia da edição impressa de 06/01/2016. Alterada em 05/01 às 22h14min

Saída de japoneses gera incertezas no polo naval

ANTONIO PAZ/JC
Cerca de 5,5 mil funcionários trabalham no Estaleiro Rio Grande

Jefferson Klein

Se o ano passado não foi dos melhores para a indústria naval, 2016 começa com notícias que trazem dúvidas e preocupações ao polo de Rio Grande. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, que a Jackson Empreendimentos (que já detém 70% de participação na Ecovix, companhia responsável pelo Estaleiro Rio Grande) compre os 30% das ações restantes dessa empresa, que estão nas mãos de uma associação, formada por cinco grupos japoneses, liderada pela Mitsubishi Heavy Industries. Também fazem parte do consórcio a MC Corporation, Imabari Shipbuilding, Namura Shipbuilding e Oshima Shipbuilding.
Os asiáticos ingressaram como sócios na Ecovix em outubro de 2013, desembolsando uma quantia de aproximadamente US$ 300 milhões. Na prática, agora, a Jackson está retomando a totalidade das ações da Ecovix, mas até o momento não foram divulgados os valores envolvidos na transação. Especula-se que seriam bem abaixo do investimento feito pelo consórcio liderado pela Mitsubishi. Até o fechamento dessa edição, as empresas envolvidas na negociação, procuradas pela reportagem do Jornal do Comércio, não se manifestaram. Sobre a saída dos japoneses do empreendimento, o diretor da Fiergs Marcus Coester comenta que não chega a ser algo surpreendente, devido ao cenário de crise no mercado mundial de óleo e gás e o momento que passa o Brasil.
De acordo com o empresário, o "negócio de estaleiros" no País, quanto ao presente e futuro, envolve um grande ponto de interrogação, agravado pelos reflexos da Operação Lava Jato. Coester considera que a retirada dos asiáticos é devido a uma visão empresarial e deverá ter consequências na operação do estaleiro, já que aumenta o clima de incerteza.
O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande e São José do Norte, Benito Gonçalves, destaca que a Mitsubishi injetava dinheiro no complexo e a ausência da companhia cria uma preocupação quanto à situação financeira. No entanto, o dirigente lembra que, no caso do Estaleiro Rio Grande, o Banco Brasil Plural assumiu a gestão da conta vinculada relativa ao contrato com a Petrobras para a construção dos cascos de plataformas de produção de petróleo tipo FPSOs (unidades flutuantes que produzem e armazenam petróleo) replicantes e isso implica um reforço quanto a recursos. O banco realizou em dezembro, no Rio de Janeiro, uma assembleia com credores onde pretende iniciar a equalização das dívidas do estaleiro.
Gonçalves adianta que os trabalhadores não aceitarão desculpas para eventuais atrasos de pagamentos ou de outros direitos e, se isso ocorrer, os funcionários voltarão a paralisar as atividades. No momento, segundo o sindicalista, são em torno de 5,5 mil pessoas atuando no Estaleiro Rio Grande, que está focado na implantação da plataforma P-69.
Apesar da empresa não estar se pronunciando atualmente, em fevereiro do ano passado, durante visita ao governador José Ivo Sartori, no Palácio Piratini, o presidente da Mitsubishi Heavy Industries no Brasil, Yoshihiko Aihara, afirmou que o Estaleiro Rio Grande enfrentava um problema crítico de caixa. O executivo não descartava a possibilidade de que o empreendimento pudesse entrar em processo de falência. No entanto, na ocasião, Aihara dizia não considerar a possibilidade da Mitsubishi vender sua participação no complexo.
O executivo ressaltou ainda que a "maior dor de cabeça" para as companhias japonesas participantes do estaleiro era que a Engevix (empresa vinculada ao grupo Jackson) era uma das mais contaminadas pelo escândalo desencadeado pela Lava a Jato.

Balanço do Sinaval aponta montagem das plataformas P-72 e P-73 na China


Inicialmente, o Estaleiro Rio Grande teria como encomendas, por parte da Petrobras, oito cascos FPSOs (P-66, P-67, P-68, P-69, P-70, P-71, P-72 e P-73), todos a serem feitos no Rio Grande do Sul. A P-66 foi entregue no final de 2014, a P-67 deixou o Estado em setembro de 2015 e a P-68 foi enviada para a China para ser implementada. A Ecovix ainda teria na sua carteira de serviços as plataformas P-69, P-70, P-71, P-72 e P-73. No entanto, segundo o documento "Cenário da construção naval - Balanço de 2015", publicado no mês passado pelo Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval), as duas últimas estruturas serão construídas na China.
Se forem confirmadas as realizações da P-72 e da P-73 na Ásia, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Rio Grande e São José do Norte, Benito Gonçalves, alerta que "será praticamente assassinar o setor naval aqui (em Rio Grande)". A Ecovix também tinha sido contratada pela empresa Sete Brasil para construir três navios-sonda (para perfuração de poços). Porém, de acordo com o trabalho do Sinaval, esse número teria caído para dois e uma fonte que acompanha o assunto não descarta que os pedidos desses empreendimentos sejam extintos devido às dificuldades financeiras enfrentadas pela Sete Brasil. O sindicato cita ainda que a empresa China Offshore Oil Engineering Corporation (Cooec) teria interesse em entrar como sócia no Estaleiro Rio Grande.


COMENTÁRIOS
Nevile Almeida Przybylski - 06/01/2016 15h31min
Na realidade, a crise do setor naval foi resultado da ação funesta e atabalhoada do juiz Moro, que ao invés de preservar o patrimônio industrial naval, acabou por condenar os estaleiros pelos crimes de alguns de seus administradores. nO prejuízo à nação acabou sendo maior que os benefícios do repatriamento dos desvios, algo assim como matar um mosquito com um tiro de canhão. nO Estaleiro Rio Grande, tem o terceiro maior dique seco do mundo e os chineses saberiam como utilizar esse gigante. n

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Produção da indústria gaúcha registou em novembro pior resultado em seis anos Confiança da indústria avança 1,1 ponto em dezembro ante novembro, aponta FGV Petrobras fecha acordo com Braskem sobre nafta Confiança da indústria sobe em dezembro, informa FGV

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo