Porto Alegre, quarta-feira, 30 de dezembro de 2015. Atualizado às 07h53.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
30°C
22°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8720 3,8740 0,33%
Turismo/SP 3,6000 4,0400 0,24%
Paralelo/SP 3,6000 4,0400 0,24%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

assembleia legislativa 28/12/2015 - 11h55min. Alterada em 28/12 às 17h48min

Denúncia da oposição aponta troca de votos de Jardel por cargos no governo

MARCO QUINTANA/JC
Gravações indicam que Jardel negociou 10 cargos em troca de voto

Em coletiva na manhã desta segunda-feira (28), representantes das bancadas estaduais do PCdoB e do PT apontaram novas denúncias envolvendo a Operação Gol Contra, que investiga suposto desvio de recursos pelo deputado Mario Jardel (PSD) e seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul.
Documentos apresentados pelo deputado Juliano Roso (PCdoB), presidente da Comissão de Ética e líder da bancada do PCdoB, indicam que Jardel recebeu benefícios do governo Sartori para votar a favor de projetos do Executivo. O voto de Jardel foi decisivo em votações polêmicas deste ano, entre elas a aprovação de aumento do ICMS e a redução do teto das RPVs.
Segundo Roso, os áudios das gravações indicam que houve negociação do parlamentar em troca do recebimento de 10 cargos, um deles fantasma.
Em novembro, Jardel teve seu mandato suspenso por suspeitas de corrupção cometidas na Assembleia Legislativa. A investigação do Ministério Público apurou indícios de crimes como concussão, peculato, falsidade documental, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Jardel também é investigado por financiar o tráfico de drogas com dinheiro público desviado.
Na tarde desta segunda-feira, a Assembleia deve votar mais um pacote de projetos do Governo do Estado, entre eles a sexta fase do ajuste fiscal. Durante a coletiva, a deputada Stela Farias (PT) sugeriu que a sessão extraordinária fosse suspensa após a divulgação das informações envolvendo a venda de votos de Jardel.


COMENTÁRIOS
Luiz Carlos - 30/12/2015 02h38min
EM 2015 OS DIAS ERAM ASSIMn- Pedalada fiscal não pode, subornar deputado pode; pedalada fiscal não pode, dar calote no funcionalismo pode.

DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Sessão extraordinária foi de longos debates e tensão Oposição acusa Jardel de negociar o voto Sindicatos fazem mobilização na Assembleia Projetos polêmicos ficam para convocação extraordinária

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo