Porto Alegre, segunda-feira, 14 de dezembro de 2015. Atualizado às 21h56.
Dia Nacional do Ministério Público.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
27°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8860 3,8880 0,41%
Turismo/SP 3,7000 4,1200 1,72%
Paralelo/SP 3,7000 4,1200 1,72%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 15/12/2015

Contra ou contra

Nas últimas semanas, vem se formado um maniqueísmo tacanho e "do contra" no Congresso: ou é contra a presidente Dilma Rousseff (PT), ou contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). A rivalidade quase futebolística, uma espécie de Grenal apocalíptico, contamina governo, a base esfarelada e a oposição. O PT é pró-Dilma e anti-Cunha, assim como o PCdoB e P-Sol. O PDT está rachado, assim como o PMDB. A oposição é o espelho do PT: agraciada com a aceitação do pedido do impeachment, voltou a ser anti-Dilma e pró-Cunha. Enquanto a Câmara e, por consequência, o Congresso continuam parados, essa briga, que vem se tornando ao mesmo tempo amarga e patética, vem definindo as bancadas entre pró-impeachment e pró-cassação. A guerra interna já fez algumas vítimas: Fausto Pinato (PRB-SP) e Zé Geraldo (PT-PA), ex-relatores do processo contra Cunha no Conselho de Ética (o último, por meros 20 minutos) e Leonardo Picciani (RJ), ex-líder do PMDB e ex-estrela em ascensão. Esse maniqueísmo já foi responsável por pelo menos um racha: o PP. A cúpula do partido é pró-Dilma e pró-Cunha, mas a executiva gaúcha se reuniu e decidiu ser contra os dois.
Contra e contra
Uma parcela dos parlamentares busca escapar do Grenal que pode afundar o Brasil: são aqueles que apoiam tanto o fora Dilma quanto o fora Cunha. Entre os gaúchos, são pelo menos quatro: os dois representantes dos partidos de oposição, Nelson Marchezan Jr. (PSDB) e Onyx Lorenzoni (DEM), e José Stédile (PSB) e Pompeo de Mattos (PDT). "Minha posição sempre foi muito clara. Quero discutir o impeachment e o processo contra Cunha. Não passo a mão na cabeça de ninguém", afirmou Lorenzoni. Marchezan chegou a ser considerado problema quando os partidos da oposição trocaram os votos no Conselho de Ética pelo impeachment.
Sujos e mal lavados
Já Stédile publicou um artigo, intitulado "Contra Cunha e Contra Dilma", mostrando a posição "contra tudo e todos". No texto, o parlamentar afirma que tanto a presidente quanto Cunha são corruptos. Já Pompeo de Mattos chamou a escolha dos deputados para a comissão do impeachment de "briga dos sujos contra os mal lavados" e afirmou que, "como Cunha é golpista, todo cuidado é pouco".
Brizola herói
O Senado aprovou a inclusão de Leonel Brizola no Livro dos Heróis da Pátria, que fica na Praça dos Três Poderes. Brizola foi um dos líderes da Legalidade, que garantiu a posse de João Goulart no Planalto em 1961. A proposta aprovada, de autoria do ex-deputado Vieira da Cunha (PDT), também facilita homenagens futuras. O texto reduz para 10 anos o prazo para homenagear alguém.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Suspeitas na Mega-Sena
O último concurso da Mega-Sena, em que um sortudo brasiliense levou a bolada de R$ 205 milhões, foi o terceiro a levar ao prêmio a capital federal
Padilha fora do governo

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo