Porto Alegre, terça-feira, 15 de dezembro de 2015. Atualizado às 21h59.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
33°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8730 3,8750 0,33%
Turismo/SP 3,7000 4,0700 1,21%
Paralelo/SP 3,7000 4,0700 1,21%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 16/12/2015. Alterada em 15/12 às 20h03min

Lei nº 2.177 e empreendedorismo

Waldir L. Roque

Quando se fala de inovação, é sempre importante ter-se em mente que ela não se materializa se não tivermos uma boa integração dos principais agentes responsáveis por promovê-la: a academia, os setores produtivos industrial e de serviços, o governo e o próprio mercado consumidor. No Brasil, não temos, ainda, a integração esperada, nem mesmo um programa nacional de estimulo à cooperação científica, técnica e de formação de recursos humanos entre estes agentes. As universidades brasileiras são, em geral, fechadas em si mesmas com pouca ou nenhuma interação com os demais agentes no sentido de promover o empreendedorismo. Isso também é válido para os Institutos Federais de Educação Ciência e Tecnologia (Ifet), que deveriam proporcionar uma educação técnica superior focada na integração com os setores produtivos.
São bem poucas as universidades e Ifets que dispõem de mecanismos para estimular a inovação, como escritórios de transferência de tecnologia, polos ou parques tecnológicos, ou oferecem cursos básicos de empreendedorismo. A economia está hoje fundamentada no conhecimento e na inovação. É preciso que a academia e os demais agentes acompanhem tais mudanças. O Código Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (projeto de Lei nº 2.177 de 2011), aprovado no Senado, será um instrumento valioso para materializar a integração entre os agentes da inovação, mas isso, por si só, não garante sucesso, é necessário que cada um se antecipe e faça a sua parte. As instituições de ensino superior brasileiras devem quebrar o tabu e oferecer regularmente cursos de empreendedorismo e inovação. As agências de fomento como CNPq, Capes e as Fundações de Pesquisa Estaduais podem desempenhar um papel importante nesta integração. Na China, 82% das universidades e institutos tecnológicos já oferecem cursos regulares de empreendedorismo e inovação, tendo mais de 3 milhões de estudantes realizados apenas em 2015.
Professor universitário/UFPB
 
COMENTÁRIOS


DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Cenário desafiador de 2016: o futuro de sua empresa começa agora Opinião econômica: Foi bom Opinião econômica: O futuro é mulher O vendedor coach não apenas vende, ele questiona

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo