Porto Alegre, terça-feira, 08 de dezembro de 2015. Atualizado às 21h30.
Dia da Família.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
29°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8090 3,8110 1,35%
Turismo/SP 3,6000 3,9700 0,25%
Paralelo/SP 3,6000 3,9700 0,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

artigo Notícia da edição impressa de 09/12/2015. Alterada em 08/12 às 20h20min

Na Venezuela, a esperança venceu o medo

Marcel van Hattem

O mundo democrático e livre acompanhou com euforia as eleições parlamentares na Venezuela. O mais fechado regime sul-americano, há 17 anos em processo de "Revolução Bolivariana", viu confirmar-se a vitória avassaladora da oposição no domingo. Vi como observador internacional, ao vivo, o resultado da política autoritária implementada no país por Chávez e por seu sucessor Maduro. Falta de papel higiênico nos supermercados, filas para comprar produtos básicos (quando há!), criminalidade recorde e uma inflação que corroeu o poder de compra do valor do salário, que vale US$ 10,00, levaram os venezuelanos a votar "sem medo", como conclamava a oposição.
Sem medo de retaliação de quem vê qualquer opositor como inimigo da revolução, inclusive prendendo adversários políticos com provas falsas; de quem não garante liberdade de expressão nem à imprensa e persegue jornalistas que reportam, simplesmente, a realidade; sem medo da ameaça de corte de benefícios sociais a quem votasse na oposição. Sem medo, inclusive, de integrantes de milícias bolivarianas que, com armamento pesado nas mãos, monitoravam os passos dos eleitores dentro dos centros de votação, abuso de poder que constatei com meus próprios olhos.
Ironicamente para os defensores de Maduro no Brasil (e cúmplices da desgraça dos nossos vizinhos), na Venezuela a esperança venceu o medo que uma população alegre costumava ter de um governo ditatorial, corrupto e demagogo. Com maioria absoluta no Parlamento, êxito conquistado a duríssimas penas, a oposição tem agora um desafio maior, mas com efeitos no longo prazo: promover as mudanças institucionais que garantam que a tragédia chavista jamais se repita. O fim do engodo do socialismo do século XXI venezuelano, assim como a derrota do populismo Kirchnerista na Argentina, dão provas de que os ventos de mudança seguem soprando na América Latina. O processo de impeachment de Dilma pode colocar o Brasil nessa rota muito em breve.
Deputado estadual (PP)
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Opinião econômica: O futuro é mulher O vendedor coach não apenas vende, ele questiona Opinião econômica: Risco Juros indecentes
Como vereadora, não tenho competência para legislar sobre esse tema

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo