Porto Alegre, terça-feira, 08 de dezembro de 2015. Atualizado às 21h35.
Dia da Família.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
29°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8090 3,8110 1,35%
Turismo/SP 3,6000 3,9700 0,25%
Paralelo/SP 3,6000 3,9700 0,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Venezuela Notícia da edição impressa de 09/12/2015. Alterada em 08/12 às 20h33min

Oposição pode obter dois terços no Legislativo

JUAN BARRETO/AFP/JC
Presidente do MUD, Jesus Torrealba, assegurou ao menos 107 cadeiras

A oposição venezuelana está mais perto de atingir a marca de dois terços de representantes no Legislativo, em uma dura derrota para o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), em meio à crise econômica nacional. A coalizão oposicionista, liderada por Jesus "Chuo" Torrealba, presidente do Mesa da Unidade Democrática (MUD), assegurou pelo menos 107 das 167 cadeiras da Assembleia Nacional, enquanto o PSUV obteve 55, segundo os números mais recentes do Conselho Nacional Eleitoral.
Duas vagas ainda não estão definidas e há três para representantes apartidários dos indígenas. De acordo com a oposição, esses cinco representantes se alinharão a ela, de acordo com informações de agências estaduais eleitorais e outras fontes.
Independentemente do quadro final, o resultado já é um terremoto político para a oposição e o chavismo, movimento político que tinha o falecido presidente Hugo Chávez como expoente. Com a nova configuração, a oposição tem poderes para realizar emendas na Constituição, nomear membros na Suprema Corte ou até convocar um referendo sobre o possível fim do mandato de Nicolás Maduro e para convocar novas eleições. Isso poderia, obviamente, gerar mais confrontos políticos, em um país já muito dividido.
A economia venezuelana sofre com o declínio dos preços do petróleo. Neste ano, o Produto Interno Bruto (PIB) deve encolher 10%, após recuar 4% no ano anterior, segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI). A maioria dos economistas prevê que no próximo ocorra um encolhimento de cerca de 6%, no que seria a pior contração no país desde a Grande Depressão (1929).
A inflação, enquanto isso, está na casa dos 200% ao ano, e previsões apontam que pode atingir entre 350% e 800% em 2016. Há problemas com falta de alimentos, uma moeda que perdeu 81% de seu valor em 2015 e o mercado paralelo, além da segunda maior taxa de homicídios no mundo.
Entre os passos que podem ajudar a estabilizar a economia, estaria elevar o preço da gasolina mais barata do mundo, eliminando subsídios que custam ao governo cerca de US$ 12 bilhões ao ano. Também deve haver mudanças no sistema cambial, que produziu quatro taxas de conversão do dólar, e afrouxar os controles de preços, que ajudam os pobres, porém geram desabastecimento.
Maduro, porém, tem evitado adotar essas medidas. Para o governo, a vitória opositora foi parte de uma "guerra econômica" lançada por companhias e interesses estrangeiros, e não causadas por erros no gerenciamento do quadro.
Na segunda-feira, convocou os militantes do chavismo para uma "grande jornada de debate e diálogo", com o objetivo de analisar o "revés" nas eleições parlamentares e "fortalecer a revolução".
 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo