Porto Alegre, segunda-feira, 14 de dezembro de 2015. Atualizado às 21h54.
Dia Nacional do Ministério Público.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
27°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8860 3,8880 0,41%
Turismo/SP 3,7000 4,1200 1,72%
Paralelo/SP 3,7000 4,1200 1,72%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Saúde Notícia da edição impressa de 15/12/2015. Alterada em 14/12 às 21h52min

Porto Alegre aguarda confirmação de casos de zika

FREDY VIEIRA/JC
Bloqueio foi realizado ontem no Centro

Já são sete os casos suspeitos de zika vírus em Porto Alegre. Seis deles foram notificados neste mês, e um deles, em outubro todos seriam importados. Enquanto a confirmação não chega, a Coordenadoria-Geral de Vigilância em Saúde (CGVS) da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) investe em ações preventivas, que incluem a aplicação de inseticida e a eliminação de criadouros do mosquito transmissor da dengue, do zika vírus e da febre chikungunya, o Aedes aegypti.
Ontem, o veneno foi aplicado em 18 casas no Centro Histórico, localizadas em trechos das ruas Fernando Machado e Demétrio Ribeiro e da avenida Borges de Medeiros. Antes do chamado bloqueio de transmissão, agentes de combate a endemias da SMS realizaram visitas domiciliares para identificação e eliminação de criadouros do inseto.
O coordenador-geral da CGVS, Anderson Araújo de Lima, ressalta que o trabalho de prevenção ocorre o ano todo. "Muitos se perguntam os motivos pelos quais o inseticida não é aplicado em todos os lugares. Não queremos que ele crie resistência ao veneno, por isso, não podemos aplicá-lo indiscriminadamente", esclarece. Além disso, afirma, a maioria dos focos de reprodução são domiciliares. "A população não pode esperar por uma iniciativa do poder público. É preciso que cada morador siga as orientações e ajude a combater a reprodução do mosquito."
Por orientação do Ministério da Saúde, desde o começo do mês, as coletas da Capital e do Estado para exames laboratoriais para o zika vírus estão sendo enviadas ao laboratório da Fiocruz em Curitiba, no Paraná, a fim de diminuir o prazo de investigação. Até agora, as amostras eram enviadas para o laboratório do Instituto Evandro Chagas, no Pará. "Nesta época, as pessoas viajam muito, então é preciso que todos fiquem atentos aos sinais e sintomas e busquem unidades de saúde o mais rápido possível. O atendimento de um indivíduo tem desdobramentos epidemiológicos e ambientais. Se a suspeita é 'quente', ou seja, se a pessoa viajou a um local endêmico, todo o controle ambiental passa a ser realizado também."
Também ontem, a prefeitura iniciou o processo de expansão do monitoramento inteligente da dengue no Jardim Botânico, com a instalação da primeira armadilha no bairro. Até o final da semana, o trabalho deve estar concluído. A expectativa é de que sejam instalados até 25 equipamentos na região. Já existem 794 armadilhas em 25 bairros da Capital. Depois do Jardim Botânico, o bairro Petrópolis será o próximo a ser contemplado.

Protocolo prevê ecografia e tomografia em bebês com microcefalia


O Ministério da Saúde (MS) divulgou ontem o Protocolo de Atenção à Saúde e Respostas à Ocorrência de Microcefalia Relacionada à Infecção pelo Vírus Zika, que será usado por profissionais de saúde dos sistemas público e privado no cuidado de mulheres em idade fértil, de gestantes e de bebês com suspeita de microcefalia. Uma das principais mudanças é a indicação da ecografia transfontanelar e da tomografia para os recém-nascidos com menos de 32 centímetros de perímetro cefálico. Primeiramente, será feita a ecografia. Caso ela mostre que os ossos do crânio estão selados, será feita a tomografia.
O documento prevê ainda uma maior distribuição de testes rápidos de gravidez, a busca ativa de gestantes para o pré-natal e o registro dos sintomas do zika na caderneta da gestante, no caso de eles serem relatados durante a gravidez. A estimulação precoce dos recém-nascidos com microcefalia e outras má-formações também está prevista. A estimulação deverá ser feita até os três anos de idade, quando se completa o ciclo de desenvolvimento neurológico e cerebral da criança. A intenção é reduzir danos. O secretário de Atenção à Saúde do MS, Alberto Beltrame, confirmou que já há registros de cegueira congênita, má-formação do globo ocular e surdez congênita nos bebês. 
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Zika atingiu ao menos 497 mil brasileiros em um ano
No total, já foram registrados 1.761 casos suspeitos de microcefalia no País, enquanto, até 2014, a média era de 150 notificações por ano
Health Hub é lançada como nova marca de saúde em Porto Alegre

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo