Porto Alegre, sexta-feira, 04 de dezembro de 2015. Atualizado às 12h35.
Dia Mundial da Propaganda.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
25°C
26°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7390 3,7410 0,21%
Turismo/SP 3,6000 3,9800 0,75%
Paralelo/SP 3,6000 3,9800 0,75%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Polícia 04/12/2015 - 13h35min. Alterada em 04/12 às 13h35min

Polícia Federal investiga desvios de R$ 313 milhões em Mato Grosso

Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (4) a décima fase da Operação Ararath para apurar o desvio de cerca de R$ 313 milhões em recursos públicos do governo de Mato Grosso, por meio da utilização de sistema financeiro clandestino. Estão sendo investigados pagamentos, em desacordo com as determinações legais, por parte do governo a empreiteiras e o desvio desses recursos em favor de agentes públicos e empresários.
Foram cumpridos 47 mandados de busca e apreensão e 18 conduções coercitivas nas cidades de Cuiabá (MT), Brasília (DF), Luziânia (GO), São Paulo (SP), Caraguatatuba (SP), Curitiba (PR) e Itapema (SC). Também foi expedida ordem de sequestro de bens e valores de mais de R$ 313 milhões, para reparar os prejuízos causados aos cofres públicos.
Segundo a PF, a análise de documentos apreendidos em fases anteriores da Ararath, em conjunto com outros elementos de prova, mostraram a utilização de medidas de engenharia financeira, praticadas pelos investigados com o objetivo de ocultar o real destino dado a valores de precatórios pagos pelo governo do estado, em nítida violação à ordem cronológica e determinações legais.
Os investigados nesta fase responderão pela prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, crimes contra o sistema financeiro nacional e lavagem de dinheiro, entre outros.
Também está sendo feita a prisão preventiva de um investigado da Operação Ararath que, no período de 60 dias, violou 92 duas vezes os termos da utilização de monitoramento eletrônico (tornozeleira).
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo