Porto Alegre, segunda-feira, 14 de dezembro de 2015. Atualizado às 21h52.
Dia Nacional do Ministério Público.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
27°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8860 3,8880 0,41%
Turismo/SP 3,7000 4,1200 1,72%
Paralelo/SP 3,7000 4,1200 1,72%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Indústria Notícia da edição impressa de 15/12/2015. Alterada em 14/12 às 21h57min

Braskem aguarda contrato maior para a nafta

crédito/jc
Redecker admite que não há previsão quanto ao desfecho do caso

Jefferson Klein

O mais recente aditivo de contrato realizado entre Petrobras e Braskem quanto ao fornecimento de matéria-prima, firmado por 45 dias, tem o término da sua validade previsto para hoje. Através de nota, a Braskem informa que a empresa "espera assinar o acordo de longo prazo para o fornecimento de nafta petroquímica até o dia 15 de dezembro de forma a reduzir as incertezas que já afetam gravemente o setor industrial do Brasil e especialmente a indústria química".
A Petrobras, por sua vez, não tem se pronunciado sobre o tema. Desde 2014, a estatal e a Braskem estão fazendo aditivos que não excedem mais de seis meses de duração. Até o momento, as companhias não chegaram a um consenso sobre o valor que será estipulado para a nafta. "Isso está como uma novela, em que ninguém sabe como será o final", compara o secretário estadual de Minas e Energia, Lucas Redecker. O dirigente admite que não tem previsão quanto ao desfecho da questão, porém enfatiza que espera que seja encontrada uma solução. Redecker argumenta que o Polo Petroquímico de Triunfo não pode interromper as atividades devido à geração de empregos e à arrecadação que representa para o Estado.
A costura de um acordo é essencial para a atração de novos investimentos ao complexo, como é o caso da polonesa Synthos, que, de acordo com estimativas feitas no começo do ano, pretendia aportar em torno de R$ 640 milhões em uma planta de produção de borracha sintética. Para isso, a companhia irá consumir o butadieno da Braskem, que, por sua vez, é fabricado a partir da nafta da Petrobras. Por isso, a Synthos aguarda a definição do contrato de abastecimento desse insumo. O secretário adianta que, tão logo o fornecimento duradouro de nafta seja confirmado, o governo gaúcho tentará fazer uma aproximação com o grupo europeu para colher informações sobre o seu plano de investimento no Rio Grande do Sul.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Yara pode revisar plano de expansão no Estado Fiergs aponta queda maior do PIB do Estado em 2016 Produção gaúcha de 2015 é a segunda pior
Até outubro, desempenho industrial do Rio Grande do Sul recuou 11,8%, ficando atrás apenas do Amazonas
Produção e vendas de bicicletas caem 10% em 2015, diz associação

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo