Porto Alegre, terça-feira, 15 de dezembro de 2015. Atualizado às 22h04.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
24°C
33°C
20°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,8730 3,8750 0,33%
Turismo/SP 3,7000 4,0700 1,21%
Paralelo/SP 3,7000 4,0700 1,21%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
Repórter Brasília Edgar Lisboa


Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 16/12/2015

Operação Catilinárias

A operação de busca e apreensão da Polícia Federal e do Ministério Público que teve como alvo caciques do PMDB poderá se transformar num inferno para o governo. Pouco tempo depois do começo da ação, peemedebistas reclamaram que o Planalto estaria por trás dos mandados e chegaram a dizer que tudo fora uma "ação orquestrada". As reclamações podem se transformar em algo muito mais perigoso para o Palácio do Planalto caso o PMDB veja a operação como a gota d'água. O partido, que já começou a mudar de lado, pode se virar contra a presidente Dilma Rousseff (PT). O PT teme que a operação faça no PMDB o impossível: unificar os peemedebistas numa única causa. A PF cumpriu 53 mandados, incluindo nas residências do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), dos ministros Celso Pansera (PMDB, Ciência e Tecnologia) e Henrique Eduardo Alves (PMDB, Turismo) e dos senadores Edison Lobão (PMDB) e Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE). O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), também foi alvo, mas as buscas foram feitas na sede do diretório do PMDB de Alagoas.
Dia ruim
Esta terça-feira foi um dia ruim para Eduardo Cunha. Às 6h, ele foi acordado pela Polícia Federal. Pouco tempo depois, o Conselho de Ética aprova a admissibilidade do processo que pede a sua cassação. Nesse meio tempo, boatos nos corredores da Câmara diziam que a renúncia era certa. Deputados começaram a articular nomes para substituir Cunha na presidência. Miro Teixeira (Rede-RJ), Jarbas Vasconcelos (PMDB-PB) e Jandira Feghali (PCdoB-RJ) se saíram como nomes possíveis. Mas a coletiva que todos esperavam foi uma decepção. Cunha disse que ficava e que o PMDB deveria romper com o governo. Ainda afirmou que a operação seria uma "armação do PT" e que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, faria tudo para constrangê-lo.
Motivos para preocupação
Nessa operação, todos têm motivo para se preocupar. O Planalto pode ter que enfrentar a reação dos peemedebistas. Já o PMDB terá um desgaste ainda maior. Grandes nomes do partido foram atingidos, incluindo o vice-presidente, Michel Temer. Henrique Alves, ministro do Turismo e ex-presidente da Câmara, é próximo do vice. Cunha, bastante desgastado, já gastou a carta que poderia salvá-lo: o impeachment de Dilma. Para ele, a tendência é piorar. Mas Cunha é como um animal selvagem: acuado, fica mais perigoso. Ele tem aliados e sabe manobrar.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Suspeitas na Mega-Sena
O último concurso da Mega-Sena, em que um sortudo brasiliense levou a bolada de R$ 205 milhões, foi o terceiro a levar ao prêmio a capital federal

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo