Porto Alegre, segunda-feira, 23 de novembro de 2015. Atualizado às 21h34.
PREVISÃO DO TEMPO
PORTO ALEGRE AMANHÃ
AGORA
20°C
28°C
18°C
previsão do tempo
COTAÇÃO DO DÓLAR
em R$ Compra Venda Variação
Comercial 3,7330 3,7350 0,91%
Turismo/SP 3,6800 3,9300 0,25%
Paralelo/SP 3,6800 3,9300 0,25%
mais indicadores
Página Inicial | Opinião | Economia | Política | Geral | Internacional | Esportes | Cadernos | Colunas | GeraçãoE
ASSINE  |   ANUNCIE  |   ATENDIMENTO ONLINE
COMENTAR CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR

Argentina Notícia da edição impressa de 24/11/2015. Alterada em 23/11 às 19h33min

Macri defenderá sanções do Mercosul contra a Venezuela

JUAN MABROMATA/AFP/JC
Cláusula será invocada 'pela perseguição aos opositores' de Maduro

O presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri, afirmou ontem que solicitará no Mercosul a aplicação da cláusula democrática do bloco contra a Venezuela. Após vencer o segundo turno da disputa eleitoral no domingo, Macri concedeu entrevista coletiva para delinear alguns dos pontos de seu novo governo.
De acordo com o jornal Clarín, o novo presidente reiterou uma promessa de campanha e disse que pedirá ao Mercosul a aplicação da cláusula democrática do bloco em relação à Venezuela. Com isso, Caracas poderia ser alvo de sanções ou mesmo da suspensão, por supostas violações aos princípios democráticos. “Vamos fazer como dissemos na campanha. Vamos invocar a cláusula democrática contra a Venezuela pelos abusos e pela perseguição aos opositores”, afirmou Macri. O próprio jornal argentino lembra que o governo do Brasil resiste à aplicação dessa cláusula com relação à Venezuela.
Segundo o La Nación, o presidente eleito “condenou a perseguição aos opositores do presidente Nicolás Maduro e os ataques à liberdade de expressão”. Além disso, o jornal informa que Macri defendeu que o Mercosul avance para lançar convênios com a União Europeia e para convergir para uma aliança com o Pacífico.
Ainda na entrevista, o presidente eleito informou que nomeará um gabinete econômico com seis integrantes e não apenas um ministro. Ele disse que é necessária uma força-tarefa para a área, com o objetivo de "tomar pé da situação". "Precisamos saber qual é o real estado das contas públicas."
Macri voltou a dizer que espera pela renúncia do atual presidente do Banco Central, Alejandro Vanoli, e também da procuradora-geral Alejandra Gils Garbó. "Espero que tenham a generosidade de abrir caminho ao novo governo. Eles já se declararam militantes antes dos aspectos técnicos, assim que deveriam ter esse gesto", disse.
Candidato da coligação de centro-direita Mudemos, Macri foi eleito com 51,4% dos votos, contra 48,60% do governista Daniel Scioli. Ainda na noite de domingo, o futuro mandatário argentino e atual prefeito de Buenos Aires deu o seu primeiro discurso depois de eleito. "Vamos realizar uma mudança que é para o futuro, para uma nova época. Essa mudança vai pedir toda a nossa energia, para construir a Argentina que sonhamos, com pobreza zero."
Macri aproveitou a oportunidade para dar uma mensagem "aos irmãos da América Latina", dizendo que "quer trabalhar com todos, e encontrar uma agenda de cooperação".
O discurso de Macri ocorreu cerca de meia hora depois que Daniel Scioli reconheceu sua derrota. Em discurso, ele afirmou ter ligado para o adversário vencedor para parabenizar o novo presidente argentino e desejou-lhe sorte em seus quatro anos na Casa Rosada.
"Optou-se pela alternância. Optou-se pela mudança. Que Deus ilumine o engenheiro Macri para que esta mudança seja superadora e importante para este país", disse o candidato governista. O novo presidente assume no dia 10 de dezembro, colocando fim à chamada era Kirchner, iniciada em 2003, com Néstor Kirchner, e continuada por Cristina em 2007.
COMENTÁRIOS
Deixe seu comentário sobre este texto.



DEIXE SEU COMENTÁRIO CORRIGIR ENVIAR imprimir IMPRIMIR
LEIA TAMBÉM
Macri vence e encerra era Kirchner Argentinos vão às urnas para segundo turno de eleições presidenciais Scioli fica na fente, mas disputará segundo turno com Macri Cristina diz que continuará militando na política após mandato
Cristina disse que os argentinos não estão com medo de perder o emprego ou de outra crise econômica

 EDIÇÃO IMPRESSA

Clique aqui
para ler a edição
do dia e edições
anteriores
do JC.


 
para folhear | modo texto
» Corrigir
Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.
Nome:
Email:
Mensagem:
» Indique esta matéria
[FECHAR]
Para enviar essa página a um amigo(a), preencha os campos abaixo:
De:
Email:
Amigo:
Email:
Mensagem:
 
» Comente esta notícia
[FECHAR]
  Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.  
  Nome:  
  Email:    
  Cidade:    
  Comentário:    
500 caracteres restantes
 
Autorizo a publicação deste comentário na edição impressa.
 
Digite o resultado
da operação matemática
neste campo