Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 28 de junho de 2018.
Dia do Ministério Público Estadual.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 29/10/2015. Alterada em 28/06 às 13h53min

Alta do dólar melhora a expectativa da indústria

Empresas demonstraram intenção de manter quadro de funcionários

Empresas demonstraram intenção de manter quadro de funcionários


AFP/JC
A desvalorização do real ante o dólar é o principal fator que pode explicar a relativa melhora das expectativas da indústria em outubro, por refletir um potencial impulso para as exportações. Esta é a avaliação do superintendente adjunto para ciclos econômicos do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getulio Vargas (FGV), Aloisio Campelo Júnior. "Em um primeiro momento, a alta adicional do dólar no terceiro trimestre pode ter dado um efeito negativo sobre os balanços das empresas, já que muitas têm dívidas em dólar. Mas o efeito positivo do ponto de vista operacional deve passar a ser majoritário a partir de 2016", afirmou.
A FGV informou ontem que o Índice de Confiança da Indústria (ICI) avançou 2,3% neste mês, para 76,7 pontos, o segundo menor nível da série histórica iniciada em abril de 1995. Segundo o especialista, os dados sinalizam que a indústria continuará apresentando resultados negativos no quarto trimestre de 2015. A intensidade da queda, no entanto, deve ser menos intensa que a registrada nos últimos meses.
Na avaliação de Campelo, a recente valorização do dólar ante o real, para o nível próximo de R$ 4,00, pode ter se somado ao ambiente de incertezas políticas e impactado de maneira negativa a indústria. No entanto, se o câmbio se estabilizar neste nível nos próximos meses, os processos de substituição de importações e de aumento das exportações devem se sobrepor ao efeito negativo de aumento dos custos de insumos. "Se isso ocorrer e o mercado interno parar de piorar, pode até ser que a confiança da indústria passe a subir no ano que vem, mas isso ainda é difícil", estimou.
Ele destaca que o aumento das exportações afeta positivamente todos os setores. Já o reflexo negativo sobre o custo de insumo é limitado. Em outubro, a proporção dos empresários que percebiam o nível da demanda externa como forte foi de 10,6%, contra 2,6% em outubro de 2014. Já a parcela dos que avaliam como fraca permaneceu praticamente estável, oscilando de 27,9% para 27,7%.
Outro componente que contribuiu para o avanço das expectativas em outubro é o indicador que mede a intenção das empresas em contratar. A melhora, porém, não sinaliza para um estancamento das demissões no setor. "Do avanço deste índice, 85% representam a mudança de empresas que, em setembro, diziam que pretendiam fazer demissões nos próximos meses e que, em outubro, passaram a afirmar que manterão o quadro atual de funcionários, o que não significa que irão contratar", disse.
Na passagem de setembro para outubro, a proporção de empresas prevendo ter um quadro de funcionários maior nos meses seguintes subiu de 6,1% para 7,8%. No mesmo sentido, a parcela das que preveem demitir recuou de 34% para 24,9%. O especialista explica que, como o indicador é ajustado sazonalmente, este movimento não é influenciado por expectativas relativas a contratações de fim de ano.
O cenário não chega a ser de otimismo, já que a percepção dos empresários do setor sobre a situação dos negócios nos próximos seis meses caiu 0,9% entre setembro e outubro, sinalizando, como destacou Campelo, que a melhora das expectativas é pontual e não reflete uma confiança maior sobre o ambiente de negócios em um horizonte de tempo mais amplo. "Ainda tem muita incerteza em boa parte devido ao front político, sobre como vai ser o formato final do ajuste fiscal, se haverá uma melhora do ambiente para negócios, se o câmbio vai estabilizar neste nível", resumiu.
Campelo calculou que, no ano, a produção da indústria deve registrar recuo entre 8,5% e 9% na comparação com o ano passado.
 

Confiança do industrial gaúcho é a mais baixa desde 2005, diz Fiergs

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei-RS) caiu 0,7 ponto na passagem de setembro para outubro, somando 35,2 pontos. O resultado, divulgado ontem pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), é o mais baixo da série histórica, iniciada em 2005. "O cenário econômico para o setor fabril no Estado continua se deteriorando. Os fatores já são bem conhecidos e se retroalimentam: aumento dos juros, dos custos de produção, da inflação e do desemprego, aperto fiscal e queda da demanda interna, somados à grande incerteza provocada pela turbulência política. A crise avança e parece distante de ser revertida", avaliou o presidente da entidade, Heitor José Müller.
Na percepção dos empresários, o principal motivo para a queda da confiança foi a degradação das condições atuais, cujo indicador recuou de 29,2 pontos para 26,3. Neste item, o maior impacto negativo veio da desaceleração na economia brasileira (18,8 pontos para 16,8). As condições da empresa também se agravaram, recuando de 34,7 pontos para 31. A visão sobre a economia gaúcha melhorou, de 16,9 para 17,7.
O Índice de Expectativas refletiu um maior pessimismo dos industriais para os próximos seis meses: passou de 40,5 pontos, em setembro, para 39,8 pontos, em outubro, ficando somente 0,8 ponto acima do apurado em março de 2015, o menor já registrado. As perspectivas com o futuro pioraram tanto para a economia brasileira (27,8 pontos) quanto para as próprias empresas (46,3 pontos).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia