Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

10/05/2018 - 22h42min. Alterada em 10/05 às 21h16min

O varejo dos próximos anos

Domingos Valladares
A competição no varejo está crescendo, basta observarmos os movimentos da Amazon, sites de e-commerce e o movimento das lojas físicas. Muitas pesquisas mostram a mudança do perfil de compras dos clientes e seus reflexos para o mercado.
O consumidor quer agilidade nas entregas, qualidade e preços compatíveis com o valor dos produtos. De acordo com as várias tendências apresentadas na Modex 2018 - uma das maiores feiras de cadeia de suprimentos do mundo -, o modelo híbrido (e-commerce e loja física) deve prevalecer. Isso significa que todas as lojas serão um centro de serviços ao cliente.
Ou seja, o cliente poderá comprar em qualquer lugar e retirar o produto em ponto disponível da mesma rede ou receber na sua casa.
O modelo em que recebemos qualquer produto na nossa casa está muito próximo. Por exemplo, já estamos acostumados com as entregas de pizza e remédios, mas logo receberemos, na mesma velocidade, roupas, calçados, livros etc. Neste futuro, serão necessárias a automatização e robotização do varejo. Isso já está em funcionamento em diversos países do mundo e no Brasil, como são os casos do dos centros de distribuição de grandes varejistas de moda e e-commerce.
Professor da Escola de Negócios da Pucrs
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia