Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

09/05/2018 - 22h42min. Alterada em 09/05 às 20h02min

Altos e baixos

Vilnei Maria Ribeiro de Moraes
Quando a crua realidade toma conta dos noticiários se torna um tanto otimista falar que o nosso País tem altos e baixos no seu desenvolvimento. Na realidade, em termos de conquistas sociais, só persiste aquela velha e vã esperança de dias melhores e enquanto isso elas continuam crescendo como rabo de cavalo, ou seja, em direção ao chão.
Em raras ocasiões parece que vamos decolar e então vislumbramos outro patamar de industrialização, educação, saneamento, preservação ambiental e infraestrutura de qualidade, mas logo em seguida voltamos ao zero. Às vezes a economia cresce, mas a pobreza continua, pois sem cultura e educação não existe nenhuma possibilidade de se construir um país, e nesse círculo vicioso - de país não construído - existe apenas o parcial cumprimento das regras do mercado, cujos benefícios são auferidos bem longe da população. A riqueza é apenas aparente quando é para poucos, por isso a inteligência cidadã detesta a perigosa pobreza do País favela que a todos rodeia, impedindo que surja entre o povo maior lucidez, senso de justiça, discernimento, liberdade de pensamento e responsabilidade para com a sua escolha eleitoral, seus semelhantes e seu País. Alguns enxergam na política o quadro da dor com a moldura da desilusão e, realmente, sem cidadania e compreensão é quase impossível vislumbrar um horizonte de prosperidade e paz proporcionado pelos governantes e pela legislação.
A cada nova eleição se repetem algumas artimanhas diante da credulidade geral. Por isso, independentemente das ideologias, vale a pena ler o pensamento de Bertolt Brecht: "O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais".
Engenheiro civil, Santa Maria/RS
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia