Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de maio de 2018.
Dia do Apicultor.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Combustível

22/05/2018 - 20h41min. Alterada em 22/05 às 20h58min

Governo eliminará Cide sobre diesel e Congresso aprovará reoneração, afirma Guardia

O aumento recente nos preços dos combustíveis reflete a alta do preço do barril de petróleo no mercado internacional

O aumento recente nos preços dos combustíveis reflete a alta do preço do barril de petróleo no mercado internacional


MARCELO CAMARGO/ABR/JC
O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, confirmou neste noite de terça-feira (22) que o governo fechou um acordo hoje com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), para eliminar a Cide incidente sobre o diesel. Em contrapartida, o Congresso deverá aprovar a reoneração da folha de pagamento.
"Uma vez que a reoneração for aprovada no Congresso, iremos editar um decreto para eliminar a Cide do diesel, que se trata de um imposto regulatório", disse Guardia, em declaração no Palácio do Planalto, onde não respondeu às perguntas da imprensa.
Além da reoneração da folha neste ano para parte dos setores atualmente beneficiados, a partir de dezembro de 2020 nenhum setor contará mais com a desoneração. "Alguns setores manterão o benefício até aquela data. Isso faz parte do acordo", completou.
Ele não respondeu quais setores manterão o benefício por mais dois anos e meio. A urgência para a votação do projeto no plenário da Câmara já foi aprovada, mas o relator, deputado Orlando Silva (PCdoB), ainda não apresentou o seu parecer final.
Segundo o ministro, como o governo tem pouca margem de manobra dentro do orçamento deste ano, os recursos que deixarão de ser recolhidos com a Cide sobre o diesel serão compensados pelo reforço de arrecadação com a reoneração da folha. "Estamos fazendo algo absolutamente equilibrado do ponto de vista fiscal", alegou.
Segundo Guardia, o governo está atento e sensível à questão do preço dos combustíveis. Ele relatou as diversas reuniões da cúpula do governo desde o fim de semana e manteve o canal de negociação aberto com o setor de transporte de cargas, que realiza desde segunda-feira, 21, paralisações por todo o País.
"Sabemos do impacto que o aumento do combustível tem na economia e continuaremos conversando com os caminhoneiros para debater alternativas para o problema, incluindo novas medidas", completou.
O ministro chegou a fazer um apelo para que os caminhoneiros voltem às atividades normais. "Sabemos que a paralisação pode trazer inúmeros problemas não apenas para a economia, mas para a população como um todo", acrescentou.
Ele enfatizou ainda que o aumento recente nos preços dos combustíveis reflete a alta do preço do barril de petróleo no mercado internacional. "O petróleo é uma commodity dolarizada, e por isso o preço no Brasil também reflete a taxa de câmbio. Ao longo dos últimos dois anos tivemos um aumento significativo do preço do petróleo no mercado internacional e nos últimos dias o real se desvalorizou em relação ao dólar", explicou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia