Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de maio de 2018.
Dia do Apicultor.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 22/05 às 19h00min

Ibovespa tem sessão de recuperação e sobe 1,13%

A terça-feira (22) foi de recuperação do Índice Bovespa, que fechou em alta de 1,13%, aos 82.738,88 pontos, após ter acumulado perdas de 5,5% nos três pregões anteriores. A alta firme se sustentou mesmo com o desempenho negativo das ações da Petrobras e Vale, papéis de relevante participação na carteira do índice. Na ponta positiva estiveram as ações dos bancos, que vinham sendo castigadas por correções nos últimos dias. Os negócios somaram R$ 14,3 bilhões.
"Foi um movimento bastante técnico, de recuperação das quedas dos últimos dias, em que também se observou uma grande saída de recursos externos da bolsa. O câmbio mais tranquilo, com as ações do Banco Central, também contribuiu para isso", disse Helena Veronese, economista da Azimut Brasil Wealth Management. No pano de fundo dessa recuperação, no entanto, a economista afirma que seguem no radar fatores como o ritmo da economia mais lento que o esperado, a indefinição do quadro eleitoral e a possibilidade de um aperto monetário mais agressivo nos Estados Unidos.
No pregão da segunda-feira, o Ibovespa havia fechado abaixo do piso psicológico dos 82 mil pontos, no qual não operava desde o início de fevereiro. Parte da recuperação de hoje pode ter sido deflagrada pela resistência a esse patamar, concordou Helena e outros analistas ouvidos pelo Broadcast.
Carlos Soares, analista da Magliano corretora, ressaltou o alívio nas relações entre Estados Unidos e China, que trouxe melhora do humor dos investidores, o que favoreceu a recuperação da Bolsa ao longo de praticamente todo o pregão. Os bancos, que detiveram as altas mais significativas, tiveram entre os destaques Itaú Unibanco (+2,42%), Banco do Brasil ON (+2,11%) e Bradesco PN (+2,87%).
As ações da Petrobras tiveram uma sessão de intensa volatilidade, reflexo do noticiário desencontrado e das especulações em torno das discussões do governo em busca de reduzir os preços dos combustíveis. Ao final do dia, em mensagens desencontradas no Twitter, foi anunciada zeragem da Cide incidente sobre o óleo diesel.
"Durante todo o dia, o temor do mercado foi de que houvesse ingerência do governo na Petrobras", disse Soares, da Magliano. Segundo ele, apesar da questão da volatilidade e das correções recentes, as ações da petroleira ainda têm espaço para voltar a subir. "A questão da cessão onerosa ainda está em aberto e pode ser um novo 'trigger' para as ações", disse. Ao final do dia, Petrobras ON e PN recuaram 2,34% e 1,20%, respectivamente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia