Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Cultura

CORRIGIR

REPÓRTER NO TEATRO

13/05/2018 - 22h38min. Alterada em 14/05 às 18h10min

O mestre Suassuna

Cristiano Vieira
Uma bela homenagem ao homem que narrou as agruras do povo nordestino em seus textos. Suassuna - o auto do Terra Sol, montagem a que assistimos neste fim de semana no Theatro São Pedro, é isso e muito mais.
A criação, da Cia. Barca dos Corações Partidos, tem texto de Bráulio Tavares, músicas de Chico César, Beto Lemos e Alfredo Del Penho, e direção de Luiz Carlos Vasconcelos. O espetáculo, resumidamente, conta as aventuras de uma trupe de circo-teatro para chegar a Taperoá - terra do escritor paraibano.
Pelo caminho, alegorias da cultura popular nordestina surgem no palco costurando as histórias paralelas que unem todos os personagens: a brutalidade da vida no sertão, a disputa de terras, a pobreza e os dois jovens de famílias rivais que se amam.
Um dos destaques do elenco é Adren Alves - o talentoso ator interpreta duas personagens marcantes: a líder do circo Sultana e a rancorosa Dona Eufrásia, matriarca do clã Fortunato e principal opositora do major Antonio Moraes, o vilão de Romance da Pedra do Reino, clássico de Ariano Suassuna.
Se o sertão está em pé de guerra enquanto as duas famílias (Moraes e Fortunato) disputam poder, é no circo que a dureza da vida nordestina encontra espaço para a alegria.
Aplaudidíssimo no sábado à noite, com o São Pedro lotado como há tempos não víamos, Suassuna - o auto da Terra do Sol já é um dos grandes momentos deste Palco Giratório Sesc.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia