Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 15 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Notícia da edição impressa de 16/05/2018. Alterada em 15/05 às 16h43min

Congresso argentino aprova fim de bitributação com o Brasil

A Câmara dos Deputados da Argentina aprovou, na semana passada, projeto de lei que elimina a bitributação com o Brasil e facilita a exportação para pequenas e médias empresas e empreendedores argentinos. A medida atinge o setor de Sistemas Baseados em Conhecimento (SBC) e incide diretamente em programas de computador que utilizam conhecimento para resolver problemas. Com a nova lei, quem exportar esse serviço ao Brasil poderá descontar do Imposto de Renda argentino, deixando de pagar aos dois fiscos e ganhando em competitividade.
A informação foi divulgada em nota pelo Ministério de Relações Exteriores da Argentina, que ressaltou a importância do mercado brasileiro, cujas importações anuais de serviços equivalem a US$ 13 bilhões . "Os serviços baseados no conhecimento (SBC) são o quarto setor exportador da Argentina e representam 10% das exportações totais de bens e serviços do país", diz a nota.
O Brasil e a Argentina assinaram um convênio para evitar a bitributação em 1980 em um período em que o setor de serviços estava pouco desenvolvido. Em julho do ano passado, os dois países decidiram eliminar a bitributação.
A nova lei introduz um mecanismo que permite à Argentina e ao Brasil deduzir de seus impostos de renda o mesmo valor retido no outro país e estabelece limites a retenção de imposto de renda, que variam entre 10% e 15%. As estimativas são de que a nova norma beneficiara 46 mil empresas argentinas.
Em 2017, as exportações do setor chegaram a US$ 6,8 bilhões. De acordo com os dados oficiais, este ano as exportações registram crescimento de 30% a mais em relação ao período anterior.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia