Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Saúde

Notícia da edição impressa de 10/04/2018. Alterada em 09/04 às 22h01min

Envelhecimento da população exige ampliação da rede oncológica

Hospital Santa Rita conta com uma das unidades de alta complexidade

Hospital Santa Rita conta com uma das unidades de alta complexidade


/CLAITON DORNELLES/JC
Suzy Scarton
Aos poucos, as neoplasias caminham para se tornar a principal causa de morte no Brasil, superando as doenças cardiovasculares. O Instituto Nacional do Câncer prevê que, em 2018, serão registrados mais de 600 mil novos casos de câncer no País. Com exceção do câncer de pele não melanoma, os tipos de câncer mais frequentes serão os de próstata (68.220 casos novos), em homens, e de mama (59.700), em mulheres.
Em alusão ao Dia Mundial de Combate ao Câncer, celebrado em 8 de abril, o papel da prevenção é lembrado como o principal inibidor do desenvolvimento de neoplasias. Alguns fatores, como o envelhecimento da população, não podem ser evitados; portanto, aderir a hábitos preventivos, como a prática de exercícios físicos e uma alimentação saudável, são dois pontos cruciais para tentar frear o aumento da incidência de casos. "Hábitos como sedentarismo, tabagismo e etilismo podem provocar diversos tipos de câncer. Nesse caso, a prevenção é o melhor tratamento", opina o diretor-médico do Hospital Santa Rita, Carlos Eugênio Escovar.
Considerando o avanço da doença muito em razão da mudança no perfil populacional, é natural que haja preocupação acerca da estrutura da rede de atenção na Capital. Hoje, 27 pacientes estão na fila de espera, aguardando a primeira consulta na área de oncologia pelo Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade. Em janeiro, eram 92.
Atualmente, o município oferta 334 leitos - 146 vinculados ao SUS e 188 vagas para pacientes de outros convênios. Além disso, de acordo com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a Capital possui 207 oncologistas clínicos - 108 deles vinculados ao SUS e 99 sem vínculo com a rede pública. O Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers) aponta, no entanto, que são 123 especialistas, sem diferenciação da rede de atuação. No Estado, são 340 oncologistas - 235 clínicos, 28 pediátricos e 77 cirurgiões oncológicos, de acordo com o Conselho Regional de Medicina do Estado (Cremers). Há, ainda, 142 mastologistas (especialistas em câncer de mama).
Além disso, em Porto Alegre, existem oito estabelecimentos com atendimento hospitalar em oncologia - três realizam atendimento exclusivamente privado e dois atendem pelo SUS. Os demais mesclam o tipo de atendimento, recebendo pacientes particulares e vinculados à rede pública de saúde. De acordo com o Simers, a Capital disponibiliza 139 leitos cirúrgicos na área (91 do SUS e 48 não SUS) e 195 leitos clínicos (55 reservados ao SUS e 140 não), totalizando as 334 vagas citadas pela prefeitura. O maior número de leitos se encontra na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre - entre os leitos cirúrgicos, o hospital abriga 91 (46 SUS e 45 não SUS), e, entre os clínicos, disponibiliza 101 (19 SUS e 82 não SUS).
De acordo com Escovar, a rede privada está bem preparada para receber esse tipo de paciente, mesmo que, por vezes, atue no limite devido à superlotação. "O maior problema é no SUS. Nem todos os hospitais oferecem tratamento. Os pacientes têm dificuldades para entrar no sistema para efetivamente receber atendimento", opina. O que facilitaria, na opinião do diretor, é aperfeiçoar e incentivar a procura pela Atenção Básica. Como o tratamento do câncer costuma ser caro, pacientes que não conseguem atendimento na rede pública dificilmente poderão resolver a questão em hospitais particulares. "Como o paciente sabe que vai demorar para ser atendido, procura um médico só quando se sente mal. Aí, é atendido rapidamente em emergências superlotadas, o que retarda um diagnóstico que, quanto mais precoce, melhor."
O Brasil também não fica atrás na evolução tecnológica - o oncologista explica que as principais tecnologias utilizadas nos Estados Unidos costumam chegar ao País com menos de um ano de atraso. "O que demora para chegar são novas drogas. Essas levam de três a quatro anos para chegar", comenta.

Incidência para cada ano do biênio 2018/2019

Próstata: 68.220 novos casos (66,12 casos/100 mil homens)
Mama: 59.700 novos casos (56,33 casos/100 mil mulheres)
Cólon e reto: 17.380 novos casos em homens (16,83 casos/100 mil homens) e 18.980 em mulheres (17,9 casos/100 mil mulheres)
Pulmão: 18.740 novos casos em homens (18,16 casos/100 mil homens) e 12.530 em mulheres (11,81 casos/100 mil mulheres)
Estômago: 13.540 novos casos em homens (13,11 casos/100 mil homens) e 7.750 em mulheres (7,32 casos/100 mil mulheres)
Colo de útero: 16.370 novos casos (15,43 casos/100 mil mulheres)
Cavidade oral: 11.200 novos casos em homens (10,86 casos/100 mil homens) e 3.500 em mulheres (3,28 casos/100 mil mulheres)
Sistema Nervoso Central: 5.810 novos casos em homens (5,62 casos/100 mil homens) e 5.510 em mulheres (5,17 casos/100 mil mulheres)
Leucemia: 5.940 novos casos em homens (5,75 casos/100 mil homens) e 4.860 em mulheres (4,56 casos/100 mil mulheres)
Esôfago: 8.240 novos casos em homens (7,99 casos/100 mil homens) e 2.550 em mulheres (2,38 casos/100 mil mulheres)
Linfoma não Hodgkin: 5.370 novos casos em homens (5,19 casos/100 mil homens) e 4.810 em mulheres (4,55 casos/100 mil mulheres)
Tireoide: 1.570 novos casos em homens (1,49 casos/100 mil homens) e 8.040 em mulheres (7,57 casos/100 mil mulheres)
Bexiga: 6.690 novos casos em homens (6,43 casos/100 mil homens) e 2.790 em mulheres (2,63 casos/100 mil mulheres)
Laringe: 6.390 novos casos em homens (6,17 casos/100 mil homens) e 1.280 em mulheres (1,20 casos/100 mil mulheres)
Corpo do útero: 6.600 novos casos (6,22 casos/100 mil mulheres)
Ovário: 6.150 novos casos (5,79 casos/100 mil mulheres)
Linfoma de Hodgkin: 1.480 novos casos em homens (1,43 casos/100 mil homens) e 1.050 em mulheres (0,96 casos/100 mil mulheres)
Pele não melanoma: 85.170 novos casos em homens (82,53 casos/100 mil homens) e 80.410 em mulheres (75,84 casos/100 mil mulheres)

Rede de assistência ao paciente com câncer em Porto Alegre

• Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon) – Hospital Fêmina
• Unacon com serviço de radioterapia – Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Pucrs)
• Unacon com serviço de hematologia – Hospital Nossa Senhora da Conceição e Hospital São Lucas da Pucrs
• Unacon com serviço de oncologia pediátrica – Hospital Nossa Senhora da Conceição e Hospital São Lucas da Pucrs
• Centro de Assistência Especializada em Oncologia com serviço de oncologia pediátrica – Irmandade Santa Casa de Misericórdia e Hospital de Clínicas
• Oncologia cirúrgica em hospital porte A (de 151 a 500 leitos) – Hospital de Clínicas, Hospital Nossa Senhora da Conceição e Irmandade Santa Casa de Misericórdia
• Oncologia cirúrgica em hospital porte B (51 a 150 leitos) – Hospital Fêmina e Hospital São Lucas da Pucrs
Fonte: Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde/março de 2018
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia