Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de abril de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 12/04 às 14h03min

Bolsas da Europa fecham em alta com recuo de Trump sobre ataque dos EUA à Síria

Os mercados europeus fecharam em alta na sessão desta quinta-feira (12) à medida que a atmosfera de tensão com o que parecia ser um iminente ataque dos Estados Unidos à Síria perdeu intensidade após o presidente americano, Donald Trump, dizer no Twitter que uma ação militar, seja em breve ou não, pode nem sequer ocorrer.
O ocupante da Casa Branca contradisse a afirmação sem meios termos feita por ele na quarta na mesma rede social, quando avisou à Rússia, aliada do governo sírio de Bashar al-Assad, que se preparasse para mísseis "legais e novos e 'inteligentes'" lançados contra a Síria.
Investidores da Europa também estiveram atentos à ata da reunião de política monetária de março do Banco Central Europeu (BCE), na qual dirigentes advertiram que guerras comerciais e o fortalecimento do euro podem minar a recuperação econômica da zona do euro. Os registros das discussões apontam ainda que a instituição agirá apenas gradualmente para reduzir seu programa de compra mensal de bônus de 30 bilhões de euros.
Na agenda de indicadores, a produção industrial da zona do euro diminuiu 0,8% em fevereiro ante janeiro, segundo a agência oficial de estatísticas da União Europeia, a Eurostat. Analistas consultados pelo Wall Street Journal previam avanço de 0,2%. O índice pan-europeu Stoxx 600 encerrou o dia com ganho de 0,70%, aos 378,81 pontos.
Na Bolsa de Londres, o FTSE 100 teve ligeira alta de 0,02%, para 7.258,34 pontos. No noticiário corporativo, repercutiu nas ações do setor aéreo o anúncio pelo International Consolidated Airlines Group (-1,14%), ao qual pertencem a British Airways (-0,84%) e a Iberia, de que está considerando uma oferta para adquirir a aérea de baixo custo Norwegian Air Shuttle (+47,24% na Bolsa de Oslo) após comprar uma fatia de 4,61% da empresa escandinava. No embalo dessa notícia, as ações da easyJet ganharam 3,20%.
Em Frankfurt, o DAX 30 subiu 0,98%, para 12.415,01 pontos. Na praça alemã, o setor aéreo também teve destaque. Os papéis da Lufthansa escalaram 3,05%, na maior alta do índice. As techs também se sobressaíram, com a Infineon ganhando 2,35% e a SAP avançando 1,04%.
O CAC 40, da Bolsa de Paris, fechou com ganho de 0,59%, aos 5.309,22 pontos. No primeiro pregão após o Carrefour divulgar seus resultados de vendas no primeiro trimestre, as ações do varejista despencaram 3,40%. Na visão do Jefferies, os números mostram que o grupo teve melhoras apenas limitadas na sua participação de mercado na França e enfrenta dificuldades em várias outras praças relevantes.
Em Madri, o Ibex 35 teve avanço de 0,12%, para 9.747,00 pontos. A petroleira Repsol viu suas ações subirem 0,81%, enquanto as da seguradora Mapfre ganharam 1,73%.
O FTSE MIB, da Bolsa de Milão, encerrou em alta de 1,27%, aos 23.304,88 pontos. Destaque para os bancos Banca Carige e Intesa Sanpaolo, que, apesar da ausência de sinalização do BCE sobre o desmonte do programa de compra de ativos, viram suas ações subirem 3,75% e 1,16%, respectivamente. Já na Bolsa de Lisboa, o PSI 20 ganhou 0,40%, aos 5.487,54 pontos. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia