Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

Corrupção

Alterada em 13/03 às 20h33min

Banco Central bloqueia R$ 864 mil em contas ligadas ao ex-ministro Delfim Netto

Agência Brasil
O Banco Central bloqueou hoje (13) quatro contas bancárias em nome do ex-ministro da Fazenda Antonio Delfim Netto e outras oito em nome de empresas de consultoria controladas pelo economista, após determinação do juiz Sergio Moro, titular da 13ª Vara Federal de Curitiba. No total, os saldos das contas somam R$ 864.801,50.
Delfim Netto é investigado na Operação Buona Fortuna, a 49ª fase da Lava Jato, como suspeito de receber 10% da propina paga por construtoras que atuaram na obra da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará. Na última última sexta-feira (9), a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão em São Paulo, no Guarujá (SP), em Jundiaí (SP) e em Curitiba. A casa do ex-ministro foi um dos alvo dos mandados.
Delfim Netto teria recebido R$ 15 milhões do Consórcio Norte Energia (composto pelas empresas Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Odebrecht, OAS e J. Malucelli), por meio de contratos fictícios de consultoria. Além dos 10% remetidos ao ex-ministro, o consórcio teria enviado propina aos partidos PMDB e PT. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), cada um dos partidos recebeu 45% dos valores.
Os procuradores pediram o bloqueio de valores e bens no exato montante da propina atribuída ao ex-ministro, mas o juiz Sergio Moro só autorizou o confisco de R$ 4,4 milhões. Após o rastreamento, o Banco Central informou ao magistrado a retenção de R$ 262.337,38 em contas em nome do próprio Delfim Netto, além de R$ 108.370,31 na conta da Aspen Assessoria, R$ 116.131,29 na conta da Buona Fortuna, R$ 334.231,54 na conta da Ideias Consultoria e R$ 43.730,98 na conta da Capres. Todas são empresas de consultoria ligadas a Delfim Netto. Também teve as contas bancárias bloqueadas o empresário Luiz Appolonio Neto, sobrinho de Delfim, com a retenção de R$ 102.551,83 em contas de pessoa física e outros R$ 1.093,03 em uma conta da LDM Assessoria, também uma empresa de consultoria.
Em uma petição ao juiz Sergio Moro, os advogados do ex-ministro Ricardo Tosto e Fernando Agrela informaram que o bloqueio atingiu todas as contas bancárias mantidas por Delfim Netto, extrapolando o limite estabelecido pela Justiça. Eles pediram que Moro determinasse o desbloqueio de três das contas do econimista, além da liberação das contas vinculadas a empresas. O juiz ainda não respondeu ao pedido.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia