Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 13/03 às 20h03min

Alckmin nega acusações que envolvem delações da Odebrecht

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), se defendeu de acusações que envolvem a construtora Odebrecht durante conferência de imprensa para falar sobre o Fórum Econômico Mundial da América Latina. Reportagem do jornal Folha de S.Paulo publicada no último dia 12 afirmou que três empresas da família de Alckmin têm ou tiveram como sede um edifício comercial que pertence ao seu cunhado Adhemar Ribeiro, acusado por delatores da Odebrecht de ter recebido dinheiro de caixa dois para abastecer a campanha do tucano em 2010.
Ele negou que o cunhado tenha sido operador de sua campanha e disse que, entre as três empresas, há uma criada por ele para dar aulas quando estava sem cargo; outra aberta por um de seus filhos para vender seguros mas que não teve sucesso; e uma terceira criada pela filha para administrar um blog na internet
De acordo com a reportagem, o ex-superintendente da construtora em São Paulo, Carlos Paschoal, um dos delatores da Odebrecht, afirmou que foi levado pelo conselheiro da empresa Aluízio de Araujo, morto em 2014, a um encontro com Geraldo Alckmin. O governador disse que não se lembra do encontro e que era amigo de Araujo, negando qualquer negociação eleitoral entre os dois.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia