Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Notícia da edição impressa de 13/03/2018. Alterada em 13/03 às 13h09min

STF quebra sigilo de Rocha Loures; Temer reavalia divulgar extratos

Além de ter quebrado o sigilo bancário do presidente Michel Temer (PMDB), o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a quebra dos sigilos telefônico e telemático dos suspeitos de serem intermediários de propina para o peemedebista: o ex-deputado Rodrigo da Rocha Loures (PMDB) e o coronel João Baptista Lima, amigo de longa data do presidente. As quebras, feitas no inquérito que investiga se o presidente favoreceu indevidamente o setor portuário, também atingem o dono da Rodrimar, Antonio Celso Grecco, e o diretor da empresa, Ricardo Mesquita.
As suspeitas surgiram depois que Rocha Loures foi flagrado em grampo telefônico discutindo o decreto com Ricardo Mesquita. Loures, ex-assessor presidencial de Temer, foi flagrado pela PF recebendo uma mala de dinheiro da JBS. Temer não foi alvo direto dessas quebras de sigilo, que abrangem o período de 2013 a 2017.
Temer também tem rediscutido a decisão de divulgar publicamente os seus extratos bancários após o pedido de quebra de sigilo. O receio de auxiliares e assessores presidenciais é de que a divulgação gere uma devassa dos veículos de imprensa que prolongue o desgaste causado pela decisão.
Além disso, a equipe jurídica do peemedebista considera que há complicadores na divulgação, como a exposição pública de nomes que receberam ou depositaram recursos na conta do presidente por negócios de caráter privado.
Os gastos da família presidencial, por exemplo, também poderiam ser revelados, expondo hábitos ou costumes de caráter pessoal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia