Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

08/03/2018 - 12h25min. Alterada em 08/03 às 12h27min

Maia acredita que pré-candidatura não vai atrapalhar trabalhos na Câmara

O presidente afirmou que o país precisa investir fortemente em educação e enfrentar a burocracia

O presidente afirmou que o país precisa investir fortemente em educação e enfrentar a burocracia


TÂNIA RÊGO /ABR/JC
O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quinta-feira (8) que a sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto não vai atrapalhar o andamento dos trabalhos legislativos. "De segunda a quinta meu trabalho será na Câmara, vou viajar nos fins de semana, como sempre fiz", disse ao chegar à convenção do DEM.
Na próxima semana, Maia começa a agenda de viagens por Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A ideia é usar as filiações de novos deputados ao DEM para se apresentar ao eleitorado neste primeiro momento. Visitas ao Maranhão e ao Piauí também estão previstas para este mês.
Ao chegar à convenção, que lançará o seu nome na disputa ao Planalto, Maia fez um discurso de candidato e disse que o País precisa investir "fortemente em educação" e "enfrentar a burocracia brasileira". "O Brasil gasta muito com burocracia, gasta muito com incentivos e desonerações que não atendem ao cidadão. Se esse gasto for menor, disse Maia "a gente vai ter dinheiro para investir em infraestrutura, que é fundamental para que as empresas possam entrar no Brasil para gerar emprego."
O deputado também disse que a intervenção no Rio, seu Estado natal, e a criação do Ministério da Segurança Pública foram "decisões acertadas" e mostram que é preciso "ter coragem" para realocar recursos para as áreas que são prioritárias.
"Nós vamos construir um projeto para o futuro que fale com essa coragem, com a determinação de ter um governo que de fato governe para os brasileiros que precisem e não governem para uns poucos brasileiros. Hoje, o Brasil serve a poucos, o Brasil é um país injusto", finalizou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia