Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 13/03/2018. Alterada em 12/03 às 21h16min

Toque de encolher

Ana Cecília Romeu
Assistindo na TV ao programa de turismo 1.000 lugares para se conhecer antes de morrer, episódio sobre o Rio de Janeiro, impossível não estabelecer um contraste com a realidade: intervenção militar; o descaso com o cidadão, e em especial com as comunidades mais carentes; os "desgovernos" federal e estaduais de todo o País. Nós, brasileiros, somos reféns de bandidos, seja em que esfera da sociedade esses atuem. O Brasil tem mais de 1.000 lugares para se conhecer antes de morrer, imprescindíveis para inglês ver, o mundo todo e nós mesmos.
Mas, na Cidade Maravilhosa, o Cristo Redentor assiste ao toque de recolher imposto por traficantes; centenas de escolas fechadas; a polícia subindo os morros; o comércio fechado; ônibus sem circular nos bairros; a insegurança da bala perdida à bala que tinha destino certo.
E a situação não difere muito de outras grandes capitais e estados, Salvador, por exemplo. Não se tem a conta nem o conto certo dos fatos. Todavia a violência está perto de nossa casa, e saberemos de tudo em algum momento. No Brasil, seja em qual dos 1.000 lugares ou milhares de outros em que se more, estamos num "toque de encolher". Encolheram nossas esperanças e até nossas manifestações. Hoje, se prefere desabafar nas redes sociais, trocar pontos de vista nos debates e embates (este é o mais comum), do que sair às ruas em protesto. Em casa, atrás do laptop, se tem mais chance de sobrevivência: fato. Nem sempre é de apatia que se fala, é de preservação. Precisamos nos ater aos fatos, nos desatar as mãos. Quem sabe rezar, criar, afinal o brasileiro é um povo criativo. Não nos deixemos encolher, nosso coração é tão grande como o território ainda nosso. Ainda...
Publicitária e escritora
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia