Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 12/03/2018. Alterada em 11/03 às 21h06min

Politicamente correto, definição perfeita

Marcelo Aiquel
Num concurso realizado na tradicional Griffith University (Austrália), foi vencedora a frase, mais que perfeita (na minha modesta opinião), criada para definir uma expressão "da moda": politicamente correto. "Politicamente correto é uma doutrina, sustentada por uma minoria iludida e sem lógica, que foi rapidamente promovida pelos meios de comunicação e que sustenta a ideia de que é inteiramente possível pegar um pedaço de excremento pelo lado limpo."
A despeito de ter sido a frase vencedora, não posso deixar de aplaudir a perfeição da definição. Este comportamento esdrúxulo (de "tentar ser", ou "ser", politicamente correto) não passa disso. Pessoas que se "escondem" nesta carcaça são - via de regra - dissimulados que insistem em defender o indefensável, agarrados em argumentos para lá de pífios e mentirosos.
Mas, também recebi de um grande amigo outra definição que, se não tão perfeita, igualmente é didática e objetiva ao extremo: "Politicamente correto é renunciar a seus próprios conceitos, para conseguir a falsa aceitação de uma minoria de imbecis". Realmente, a verdade se inclina para o lado contrário a este tipo comportamental, independente da definição escolhida. Ou seja, quem opta pelo modus operandi dos adoradores do politicamente correto fatalmente se trai.
Seja pelo tipo facilmente identificável, seja pela defesa intransigente da imoralidade. Porque, para estes, tudo o que a moralidade não aceita, se torna uma verdade única, a solução de todos os problemas. E, assim, esta "moda" vai crescendo e - cada vez mais - conquistando adeptos. Todos - sem exceção - que não se declaram fanáticos da "causa bolivariana" são (aqui no Brasil) inocentes úteis, usados como marionetes para um fim único: poder e riqueza (com o suor e dinheiro dos "trouxas", óbvio).
Inocentes úteis que, depois de "bem usados" são rapidamente descartados, jogados no lixo... Mas que, enquanto se ufanam de comportarem-se como politicamente corretos, sabem que - mais cedo ou mais tarde - serão jogados fora como um bagaço de laranja.
Advogado
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Jefferson Batista 12/03/2018 17h57min
Belíssimo texto. Que seja o fim desses esquerdopatas infelizes. Raça medíocre que não agrega em nada na sociedade. Viva Bolsonaro, viva os cidadãos de bem!