Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 09/03/2018. Alterada em 08/03 às 21h23min

O futuro existe?

Luiz Ernani Mottola
Ao mencionar futuro, é necessário datá-lo; caso contrário, é a mesma história do cavalo atrás da cenoura. Há 50, 200 anos, diziam que o Brasil era o país do futuro. Esse futuro já passou ou ainda está por vir? Somos dominados por falácias, os governos alegam estarem tomando medidas para um futuro melhor. Ouvimos essa frase desde muito antes de Getulio Vargas. Justificativas para extrair do povo sacrifícios injustos. Vivemos num país com violência crescente sem precedentes. Educação que afasta novas gerações dos países desenvolvidos. Aturdidos e perdidos, ficamos engessados num mundo extremamente dinâmico. A saúde desprezada com serviços precários. Serviços públicos despencando, pois, desvalorizados e desrespeitados pelo governo, não oferecem respaldo necessário aos empresários e ao povo. Em nosso Estado, a incompetência não atrai novos investidores externos, afugentados diante das declarações de falência do Estado. Quem virá para um Estado que gera incertezas e insegurança administrativa? Como apostarem seus capitais de que tanto precisamos e os empregos tão almejados?
A atual crise acredito ter sido instaurada no País por grupos poderosos e países dominadores. O mundo precisa do Brasil. Para isso, precisam dominá-lo, apoiando sistemas educacionais precários e doutrinadores. Os preços de nossos patrimônios despencaram para serem adquiridos por pequenos grupos cada vez mais impenetráveis. O caos se instalou, e o povo padece, acreditando em justificativas mentirosas. Após o caos, mais donos do País relatam crescimento na economia para valorizar suas aquisições.
A solução começa com os pais participando ativamente nas reuniões das escolas, essa é uma forma de o povo fazer frente aos maus políticos que interferem negativamente na educação. E, em casa, buscarem conhecimento de ponta para transmitirem aos seus filhos o pensar, o espírito crítico e um olhar para um futuro determinado. Atitudes que educarão também os adultos.
Bacharel em Direito
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia