Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 08/03/2018. Alterada em 07/03 às 21h54min

Rebele-se: é a luta das mulheres

Manuela d'Ávila
Ser mulher ainda não é tarefa fácil. Representamos mais de 52% dos eleitores no Brasil, mas ainda ocupamos poucos espaços de poder. Diariamente enfrentamos a violência que nos assola pelo simples fato de sermos mulheres. E a falta de divisões justas de tarefas para homens e mulheres, seja nos ambientes privados ou públicos, também é uma forma de propagar o machismo. Na maioria dos países do mundo, as mulheres ainda recebem 80% dos rendimentos dos homens para as mesmas funções, embora sejam estas mesmas mulheres que tantas vezes gastem 90% da sua renda com a família, enquanto que os homens utilizam apenas 30%.
E, apesar de tudo isso, quase 50% das mulheres que saem de seus trabalhos para licença-maternidade não conseguem manter os empregos quando voltam. A Fundação de Economia e Estatística apontou, em sua última pesquisa, que a taxa de desemprego na Região Metropolitana da Capital cresceu para as mulheres em comparação aos últimos dois anos. As mulheres representavam 48,6% dos desempregados em 2016 e passaram a ser maioria, em 2017, pulando para 50,4%. E pelo terceiro ano consecutivo vem crescendo o contingente de mulheres ocupadas no emprego doméstico.
Esses dados indicam que há um processo de precarização do mercado de trabalho para mulheres à medida que aumentam as ocupações consideradas de menor qualidade para elas. O que muitos desconhecem é que milhares de mulheres precisam abandonar seus estudos e trabalhos por falta de vagas em creches. Acreditamos que, para começar a mudança desses dados, o Estado precisa retomar a sua capacidade de crescimento econômico.
Com a garantia de liberdades individuais, ficamos mais fortes para enfrentar a desigualdade salarial e de direitos entre homens e mulheres. Por isso: rebele-se. Só questionando e desfazendo os padrões impostos é que poderemos construir um mundo mais justo.
Deputada estadual (PCdoB)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia