Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Acontece

Notícia da edição impressa de 07/03/2018. Alterada em 06/03 às 21h26min

Mulheres, as vítimas preferenciais da pobreza

Paola Loureiro Carvalho
Apesar de avanços notáveis, a desigualdade entre homens e mulheres permanece a pleno. São elas que mais sofrem com a pobreza extrema, com o analfabetismo, com as falhas no sistema de saúde e com a violência doméstica. E com a crescente redução de direitos e de políticas públicas adotada pelo governo federal como justificativa para o ajuste fiscal, o resultado torna-se ainda mais cruel, especialmente para as mulheres. Elas são maioria nas atividades precarizadas, são afetadas pelo regime intermitente aprovado na reforma trabalhista e acumulam as funções domésticas. A proporção de mulheres que chefiam os domicílios aumentou de 24,8% para 43% nos últimos 20 anos.
Nos últimos 10 anos, houve intensificação das políticas sociais no Brasil, que possibilitaram avanços importantes na agenda social, como a redução da pobreza e da fome. Os números do IDH no nosso País, onde as mulheres representam 52% da população, cresceram 47,8% de 1991 a 2010. Nesse mesmo período, 36 milhões de pessoas deixaram a pobreza e o País, pela primeira vez, saiu do Mapa da Fome em 2014 - um dos principais avanços considerados pela ONU. Mesmo assim, a incidência da pobreza também variou em função do gênero. Em famílias comandadas por mulheres, as taxas de pobreza extrema atingem 9,6%, frente aos 7,1% quando lideradas por homens. O Cadastro Único do governo federal mostra que quanto mais baixa a renda per capita da família, maiores as chances de ser chefiada por mulheres.
Das 27 milhões de famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais, 12,5 milhões têm renda per capita familiar de até R$ 85 (extrema pobreza). Para piorar, entre 2016 e 2017, quase um milhão de famílias foram desligadas do Bolsa Família. O RS também desmontou sua política de erradicação da extrema pobreza, o RS Mais Igual, que já havia atendido a 100 mil famílias gaúchas, e nenhuma política pública foi implantada como alternativa. E, em Porto Alegre, vemos a população mais pobre de volta às ruas, com mendicância e fome. Até quando?
Assistente Social, especialista em Gestão de Políticas Públicas
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia