Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 07/03/2018. Alterada em 06/03 às 21h23min

Um infinito por fazer

Yeda Crusius
Muito evoluímos no último século em relação aos direitos das mulheres. Nas primeiras décadas do século XX, ainda éramos impedidas de votar e sermos votadas, de trabalhar, de exercermos livremente nossa voz. Hoje, nos fazemos ouvir. Somos a maioria da população, lideramos grandes empresas e instituições, estamos nos Parlamentos e na administração pública. Avançamos. Temos várias conquistas para celebrar.
Mas ainda temos grandes desafios para vencer. Os números da violência contra a mulher são alarmantes. A cada ano, milhares sofrem abusos físicos, psicológicos e sexuais. E o que é pior, permanece incrustada em parte da população que a culpa é das vítimas. No cômputo geral, seguimos recebendo salários menores - 84% dos vencimentos dos homens, segundo o Ministério do Trabalho.
Também enfrentamos dificuldades na política. Somos hoje pouco mais de 10% do Congresso Nacional. Entre os prefeitos, quase 90% são homens. Mesmo com as cotas partidárias, ainda estamos longe de um cenário que assegure nossa plena representatividade.
Como mudar? É preciso começar justamente pela política. Devemos ampliar nossa participação, indo às urnas, buscando espaços nas siglas partidárias, debatendo ideias, juntando forças, chegando aos parlamentos. A maior presença feminina muda os ambientes, amplifica a consciência e promove a equidade.
Temos ainda um infinito por fazer. Ampliar a presença das mulheres nos espaços de poder é nossa obrigação, para honrar a luta das que nos precederam, como Celina Guimarães Viana, a primeira eleitora do País. Como Bertha Lutz, uma das maiores líderes nas reivindicações pelo voto feminino.
Nosso lugar é na política, para construirmos os caminhos que nos levem a uma sociedade mais justa, sem violência e preconceito. E para que, nos próximos Dias Internacionais da Mulher, possamos celebrar a conquista de um Brasil melhor para todas nós.
Deputada federal e presidente nacional do PSDB Mulher
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia