Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 05/03/2018. Alterada em 04/03 às 19h36min

Saúde pela web

Leci Maria Soriano Bobsin Corrêa
Não há dúvida que a internet revolucionou os modelos de comunicação da atualidade, e é praticamente impossível imaginarmos nossa vida hoje sem acesso à world wide web. Consultas às redes sociais, aos sites de entretenimentos, relacionamentos, compras, bancos etc. são feitas praticamente em tempo real, remodelando os antigos padrões de nossa sociedade. O avanço da cibercultura também tem beneficiado a área da saúde, com a facilidade de se verificar resultados de exames de sangue em sites de laboratórios e hospitais, por exemplo, sendo mais uma prática frequente, entre tantas outras que virão nas próximas décadas.
Apesar de todos os benefícios que os recursos tecnológicos vêm trazendo e proporcionando a milhares de pessoas do mundo todo, um aspecto tem preocupado estudiosos da área quanto ao acesso à internet para verificar questões relacionadas à saúde física e mental. Quem de nós já não acessou a internet para pesquisar sobre sintomas, doenças e colher informações sobre dores e males que vêm nos acometendo? A busca constante de resposta à possíveis adoecimentos, sejam físicos ou psíquicos, pode trazer o aumento da ansiedade, pois, quanto maior o nível de intolerância à incerteza, maior a chance do indivíduo se angustiar.
É comum pacientes chegarem aos consultórios médicos e psicológicos com "diagnósticos" prontos, pesquisados na web. O resultado disso, boa parte das vezes, é de informações mal interpretadas ou incorretas, interferindo no tratamento das patologias atuais. Para aqueles que têm a prática de buscar soluções para a sua saúde via websites, vai aí um alerta: a internet oferece informações sobre a mesma enfermidade, confundindo o usuário quanto ao seu problema sintomatológico, além de milhares de sites não confiáveis. O melhor é não deixar o médico e/ou psicólogo em segundo plano. Priorize sua saúde buscando informações corretas para o seu corpo e mente. Dê prevalência ao profissional da área da saúde.
Psicóloga clínica e professora universitária
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia