Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 04 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 05/03/2018. Alterada em 04/03 às 19h35min

Setor naval à deriva

Nelsinho Metalúrgico
Deveríamos comemorar a entrega da plataforma P-74 à Petrobras. Mais uma prova da qualidade e da eficiência do polo naval gaúcho. No entanto, a conclusão do empreendimento vai provocar o fechamento de mais 2 mil postos de trabalho, trazendo enormes prejuízos sociais e econômicos aos municípios da Região Sul e ao Estado. O setor naval gaúcho chegou a empregar 24 mil trabalhadores em 2013. Hoje, infelizmente, está à deriva. O governo de Michel Temer (PMDB) tem praticado uma triste política de desmonte do setor. A Petrobras parou de incentivar a indústria nacional e passou a entregar importantes investimentos a empresas do exterior.
A consequência disso é uma tragédia. A arrecadação de ICMS do município de Rio Grande, somente em 2017, teve queda estimada em R$ 50 milhões. A perda para o Estado é ainda maior: cerca de R$ 150 milhões. A falta de investimentos afeta não somente os trabalhadores do setor naval, mas também o comércio e a economia da região e do Estado.
Lutamos muito para mudar esse quadro e defender essa importante matriz econômica. Criamos a Frente Parlamentar em Defesa do Polo Naval de Rio Grande. Mobilizamos prefeitos, vereadores, sindicatos, trabalhadores, entidades sociais e universidade. Discutimos a importância da indústria naval para a geração de trabalho e tributos ao RS e ao País.
Apresentamos propostas para a retomada do setor, como a continuidade das obras da plataforma P-71. Já o governo de José Ivo Sartori (PMDB), que dedica tanta energia para entregar o Estado e o patrimônio público, em nenhum momento se juntou à nossa luta em defesa do polo naval. 30% do petróleo brasileiro é extraído por plataformas construídas nos estaleiros de Rio Grande e São José do Norte.
A contrapartida dos governos Temer e Sartori é o desmonte de uma importante e qualificada indústria local sem perspectivas e sem apoio estatal. Ambos nos deixam um quadro de abandono, demissões e empobrecimento do povo gaúcho.
Deputado estadual (PT)
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia