Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

América do Sul

Notícia da edição impressa de 13/03/2018. Alterada em 12/03 às 22h55min

Partidos contrários às Farc recebem melhor votação na Colômbia

Os partidos de direita contrários ao acordo de paz com as extintas Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia) e de oposição ao presidente Juan Manuel Santos conquistaram a maior votação nas eleições legislativas de domingo. O grupo, porém, não terá a maioria nem na Câmara, nem no Senado.
Com 98% das urnas apuradas, o Centro Democrático, do ex-presidente Álvaro Uribe, havia conquistado 19 das 102 cadeiras no Senado e 32 das 166 vagas na Câmara. Somando-se o aliado Partido Conservador, o grupo terá a maior bancada na Câmara Alta, com 34 membros, e a segunda maior da Câmara Baixa, com 53, atrás da aliança formada pelo Partido Liberal, do ex-negociador-chefe do governo com as Farc Humberto de la Calle, e pelo Partido da Unidade Nacional, de Santos, que tem 60.
Sem maioria, os dois grupos poderão ter que fazer acordos com o ex-vice-presidente Germán Vargas Lleras, populista de direita apoiado pelo Mudança Radical, que conquistou 16 vagas no Senado e 30 na Câmara. Embora dificilmente possa reformar a maior parte do pacto, a vitória da direita gera incerteza na implementação da Justiça especial para crimes de ex-guerrilheiros.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia