Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 12 de março de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 12/03 às 14h28min

Coreia do Sul elogia ação da China para convencer Coreia do Norte a dialogar

O diretor de segurança nacional da Coreia do Sul, Chung Eui-yong, elogiou nesta segunda-feira (12) o papel do governo do presidente chinês, Xi Jinping, para convencer a Coreia do Norte a dialogar para abandonar seu programa nuclear. A declaração foi dada após o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, concordarem com uma reunião entre os dois líderes.
Chung informou o principal assessor de política externa da China, Yang Jiechi, sobre o diálogo recente entre as Coreias e se encontraria também com Xi. A autoridade sul-coreana disse que o presidente de seu país, Moon Jae-in, acredita que os avanços conseguidos na Península da Coreia tiveram o apoio ativo e a contribuição do presidente chinês e do governo do país.
Yang, por sua vez, afirmou que Pequim insiste que as partes "se concentrem em resolver a questão por meio do diálogo e das consultas".
Na semana passada, Chung disse que Trump e Kim se reúnem até maio para tratar do fim do programa nuclear norte-coreano. Kim afirmou durante diálogo com sul-coreanos que estava comprometido com o tema e que a Coreia do Norte não realizará mais testes nucleares ou de mísseis durante esse diálogo, segundo Chung.
Líder da agência de espionagem sul-coreana, Suh Hoon realiza visita ao Japão, a fim de informar autoridades locais sobre o progresso no diálogo com o regime de Pyongyang.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia